De encontros em África do Sul

Moreirense-Paços de Ferreira: adiamento está a ser discutido [Covid-19]

2020.11.05 13:49 AxhKetchup Moreirense-Paços de Ferreira: adiamento está a ser discutido [Covid-19]

Noticia Record (É noticia Premium então não consigo ler o conteúdo)

Qual a diferença entre este caso e o do Cova da Piedade?

Edit: u/RiKoNnEcT
O surto de Covid-19 que afeta o plantel do Moreirense e levou à suspensão de toda a atividade dificilmente permitirá que a partida com o P. Ferreira, da 7ª jornada, se realize na data prevista – este sábado. O adiamento da partida ainda não é oficial, nem desejado sequer, mas o desfecho apresenta-se como praticamente inevitável e as equipas, segundo apurou Record, já trocaram algumas ideias sobre uma nova data para o encontro. Uma das principais preocupações relaciona-se com o facto de a classificação que se verificar ao cabo da 8ª jornada, no final de novembro, ter esta época uma importância acrescida, já que define quem participará nos ‘quartos’ da Taça da Liga – os seis primeiros classificados da Liga NOS à altura. Baliza temporal curta que pressiona uma tomada de decisão quando ainda é difícil perceber até quando o plantel dos cónegos estará limitado. A possibilidade de a partida ter lugar no fim de semana de 14 e 15 deste mês, altura em que as competições nacionais estarão interrompidas para os jogos das seleções, foi colocada em cima da mesa, mas não agrada de sobremaneira ao P. Ferreira. Isto porque os castores têm dois internacionais entre os seus titulares indiscutíveis, Oleg (Moldávia) e Luther Singh (África do Sul), pelo que estariam privados de duas armas importantes para a partida, curiosamente ambas do flanco esquerdo. As próximas horas deverão trazer novidades sobre o tema.
Regras cumpridas na íntegra
O Moreirense garantiu ontem que todas as normas de segurança em altura pandémica foram cumpridas, pelo que viu com alguma surpresa a eclosão do surto que conta já 24 infetados. O emblema cónego assinalou a utilização permanente de máscara no interior das instalações, sendo evitado qualquer contacto desnecessário, como por exemplo ao pequeno-almoço ou nos balneários.
submitted by AxhKetchup to PrimeiraLiga [link] [comments]


2020.07.23 10:52 diplohora Bruno Rezende : meus estudos para o CACD Parte IV - SUGESTÕES DE LEITURAS pt5 PI

INGLÊS
Para todos os idiomas, recebi boas recomendações do site http://uz-translations.net/.
Não tenho bibliografia a sugerir, até mesmo porque não estudei Inglês por nenhum livro ou coisa parecida. Se precisar de sugestão de bibliografia, de Gramáticas etc., veja o Anexo II abaixo.
Já recebi recomendações das seguintes páginas na internet:
· http://dictionary.cambridge.org/
· http://englishtips.org/
· http://esl.about.com/od/advancedenglish/Learning_English_for_the_Advanced_Level_ESL_E FL_Advanced_English.htm
· http://owl.english.purdue.edu/owl/
· http://www.bartleby.com/
· http://www.dictionary.com
· http://www.englishclub.com/gramma
· http://www.natcorp.ox.ac.uk/
· http://www.synonym.com/
· http://www.wordpower.ws/grammagramch26.html
POLÍTICA INTERNACIONAL

>> TEORIAS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

- Introdução às Relações Internacionais (Jackson e SØrensen): se você não é graduado em Relações Internacionais, ou se não está familiarizado com o assunto, pode ser importante a leitura desse livro, que dá uma noção bem geral de Teoria de Relações Internacionais (TRI). Acredito ser importante saber alguma coisa de teoria não apenas porque é o primeiro item da relação de conteúdos exigidos no Guia de Estudos de Política Internacional e porque, frequentemente, aparecem questões sobre isso na primeira fase (de forma bem básica, é verdade), mas também porque você adquire importantes ferramentas para complementar uma resposta na prova de Política Internacional da terceira fase (nem que seja para “enrolar” um pouco; questões de terceira fase sobre teoria não são comuns). No Manual do Candidato: Política Internacional (tanto no do Demétrio Magnoli quanto no da Cristina Pecequilo), há breve parte inicial que trata dessas teorias de maneira bem superficial. O Jackson/SØrensen é bem mais completo que os manuais, mas os conhecimentos necessários de teoria para o CACD não vão muito além do básico. Além disso, prefira ler o Jackson/SØrensen ou os manuais a ler os próprios autores de TRI. Além de perder muito tempo, o entendimento completo e correto das obras nem sempre é um trabalho fácil, e o livro e os manuais já trazem tudo resumido e bem “mastigado”. Se tiver um pouco mais de tempo, recomento o Jackson/SØrensen. Se não tiver, os manuais devem servir para alguma coisa. Outra possibilidade é
o livro 50 Grandes Estrategistas das Relações Internacionais (Martin Griffiths), também útil. O livro é dividido por corrente teórica (apresenta Realismo, Liberalismo, Teoria Crítica, Escola Inglesa, Pós-Modernismo, Feminismo, entre outros) e faz bons resumos sobre o pensamento de vários autores de TRI. Entre o Griffiths e o Jackson/SØrensen, eu ficaria com o último, mas o primeiro também pode ser útil, e cito-o aqui para o caso de alguém já o ter. Também recebi recomendações do Teorias de Relações Internacionais, de João Pontes Nogueira e Nizar Messari, mas não sei se é bom (est disponível para download no “REL UnB”). De qualquer modo, não se atenha a muitos detalhes. Tudo o que você precisa saber de TRI deve caber em um resumo de uma ou duas páginas. Atente, apenas, aos aspectos/conceitos mais gerais de cada corrente e aos principais autores.

>> DEMAIS TEMAS

- Política Internacional Contemporânea: Mundo em Transformação (org. Altemani e Lessa): é um livro bem pequeno e de caráter (excessivamente) introdutório. Bem tranquila a leitura, dá para ler de uma vez só. Para aqueles que estão começando os estudos, recomendo como leitura inicial. Para os já iniciados ao assunto, o livro é extremamente superficial. Para quem já começou os estudos há algum tempo, acho que apenas o capítulo 4 (sobre integração europeia17) pode ser de alguma utilidade.
- O Mundo Contemporâneo (Magnoli): já citado acima. Fornece algumas bases de História Mundial necessárias à compreensão de diversos aspectos da Política Internacional. Indispensável.
- Manual do Candidato: Política Internacional (Demétrio Magnoli): já citado em História Mundial.
- Manual do Candidato: Política Internacional (Cristina Pecequilo): deixados de lado os muitos erros de Português e as frases sem sentido ou sem fim, gostei bastante da leitura. É bem abrangente, fala de alguns tópicos importantes e não cobertos pelo restante da bibliografia que eu havia lido até então. Se possível, leia este manual antes de começar a ler as demais obras de política internacional, mas já sabendo que ele deixa muitos itens do edital de fora (especialmente os temas da agenda internacional do Brasil e algumas temáticas de relações bilaterais; quanto às demais partes, estão quase todas no livro – de maneira introdutória, é claro). Reitero que se trata de leitura de caráter meramente introdutório. Sugiro usar como base, para buscar aprofundamentos em determinados temas, segundo os tópicos previstos no Guia de Estudos (para isso, além de todas as obras disponíveis e indicadas aqui, os artigos publicados na RBPI, no Mundialistas, no Meridiano 47 e no Mundorama podem ser de grande utilidade). Se você já estiver familiarizado com a parte de TRI, comece a ler do capítulo 2 em diante (o capítulo 1 é só sobre TRI e sobre interpretações do pós-guerra fria).
Considero os próximos quatro livros (História da Política Exterior do Brasil, Inserção Internacional e Relações Internacionais do Brasil: Temas e Agendas vol. 1 e 2) os mais fundamentais para as provas de Política Internacional (e de História do Brasil também). Depois de algumas leituras iniciais (como as indicadas acima), sugiro ler esses quatro “livros sagrados”, tomando notas do que for mais importante. Como já disse anteriormente, não fiz muitos fichamentos por causa de restrições de tempo, mas fiz questão de fichar esses quatro, o que me foi muito útil nas revisões para a primeira e para a terceira fases do concurso.
17 Atenção para as modificações mais recentes, como as adesões de Romênia/Bulgária e o Tratado de Lisboa, não contemplados no capítulo.
- História da Política Exterior do Brasil (Amado Cervo e Clodoaldo Bueno): já citado em História do Brasil. Indispensável tanto em História do Brasil quanto em Política Internacional (para Política Internacional, o principal período a ser estudado é a partir de 1945; para História do Brasil, é o livro todo mesmo).
- Inserção Internacional (Amado Cervo): leia o livro todo. Às vezes, é um pouco repetitivo, mas os argumentos do Cervo são bem claros, e é um livro bem informativo. Leitura importante, rápida e tranquila. Os conteúdos do livro são, quase sempre, cobrados na terceira fase, de alguma maneira. Anote os pontos principais, podem ser úteis argumentos para as provas discursivas de Política Internacional e de História do Brasil.
- Relações Internacionais do Brasil: Temas e Agendas – volume 1 (org. Altemani e Lessa): os dois volumes são importantíssimos para as provas do CACD. Fiz fichamento dos dois e revisei minhas anotações várias vezes, antes das provas. É interessante complementar os dados fornecidos por esses livros com as informações disponíveis no “Resumo Executivo”, a ser tratado posteriormente. Se estiver sem muito tempo, pule os capítulos 2 e 3. Nos outros, há coisas boas e coisas ruins (alguns são mal escritos, com muita “enrolação”), mas acho que vale a pena a leitura de todos, mesmo que bem rápida em algumas partes (focar, é claro, nas relações entre o Brasil e as regiões tratadas nos capítulos e discriminadas no Guia de Estudos), à exceção dos capítulos 10 e 11, que considerei inúteis.
- Relações Internacionais do Brasil: Temas e Agendas – volume 2 (org. Altemani e Lessa): assim como o volume 1, é muito importante e indispensável para o CACD. Minha sugestão é ler todos os capítulos integralmente, à exceção dos discriminados a seguir:
- Cap. 3 - O início do capítulo tem muita “viagem” para nenhuma substância nova. Ler apenas do item 3.3.3 (pág. 114) em diante (antes disso, ele apenas define regimes e enrola em coisas que quem já conhece Teoria das Relações Internacionais já está cansado de ouvir; se você não conhece, leia o capítulo inteiro mesmo).
- Cap. 9 - fraquíssimo, não acrescenta praticamente nada. Procure no Google algo didático sobre a criação do Ministério da Defesa e sobre o Sivam que você ganha muito mais.
- Cap. 11 - texto fraco, a leitura não vale a pena.
- Cap. 12 a 14 – é, pura e simplesmente, Análise das Relações Internacionais do Brasil (é bem superficial também). Se você cursou a matéria ou se já está familiarizado com o assunto, eu recomendaria não ler e dar apenas uma olhada no material da disciplina para a terceira fase. Não é um tema muito recorrente no CACD (embora possa cair de maneira “disfarçada”, e ter conhecimento desses aspectos da matéria pode render-lhe bons argumentos na terceira fase, dependendo da questão). Se você não conhece a temática, talvez valha a pena a leitura, com grande ressalva para o “talvez”. Pode valer mais a pena pegar um resumo bom da matéria e dar uma olhada ligeira e sem muito compromisso. Para resumos dos textos da matéria tal como é dada na UnB, acesse o “REL UnB”. De todo modo, se tiver tempo, a leitura desses capítulos pode não ser em vão.
- Cap. 15 - desinteressante e escapa ao conteúdo do CACD; leitura desnecessária.
Em resumo, minha sugestão para o Temas vol. 2 é: ler apenas os capítulos 1, 2, 3 (do item 3.3.3 em diante), 4 a 8 e 10.
- O Conselho de Segurança após a Guerra do Golfo (Antonio de Aguiar Patriota) – muito boa obra sobre a atuação do Conselho de Segurança. Curto e de fácil leitura (a obra está disponível para download no “REL UnB”).
- Cooperação, Integração e Processo Negociador: a construção do MERCOSUL (Alcides Costa Vaz): li para uma matéria na universidade e achei tão chato que me prometi que nunca o leria novamente. Não recomendo. Se quiser saber mais sobre o MERCOSUL, há muita informação útil no site do bloco, que consultei bastante em meus estudos: http://www.mercosul.gov.b; http://www.mercosur.int/.
A seguir, alguns livros que me indicaram, mas não li.
- A Construção da Europa (Antonio Carlos Lessa)
- A Nova Ordem Global: relações internacionais do século XX (Paulo Fagundes Vizentini): não o li, mas há diversos materiais sobre o livro disponíveis na Internet, caso queira dar uma olhada: http://educaterra.terra.com.bvizentini/
- Estocolmo, Rio, Joanesburgo: o Brasil e as três Conferências Ambientais das Nações Unidas (André A. C. do Lago) – disponível para download no “REL UnB”. Importante sobre o histórico de participação do Brasil nessas conferências, mas não tive tempo de ler. A grande limitação da obra é que os aspectos mais importantes da posição brasileira recente foram definidos após Joanesburgo. De todo modo, pode ser útil como apanhado histórico (importante para a primeira fase).
- Repertório de Política Externa (MRE): está disponível na Biblioteca virtual da FUNAG (http://www.funag.gov.beditoresolveUid/eaa9aea4398a55cd58d939764685cd22). Trata das diretrizes da política externa brasileira em relação a diversos temas. É necessário, obviamente, conferir, no Guia de Estudos, o que é importante para o concurso e o que não é. O livro é uma compilação de discursos referentes a temas de política externa proferidos por líderes brasileiros. Por essa razão, a leitura pode parecer chata e desinteressante para alguns. Não o li exatamente por isso, mas o incluo nessas recomendações para o caso de alguém se interessar por ele. Acho que há fontes mais práticas e que vão direto ao ponto quanto às questões mais importantes nas relações com determinados países e nos posicionamentos acerca de determinados temas (como os livros “Temas e Agendas”, citados acima, o “Balanço de Política Externa” e o “Resumo Executivo”, citados abaixo, e alguns artigos publicados na RBPI, no Mundialistas, no Mundorama e no Meridiano 47).
- The Globalization of World Politics (org. John Baisley): não o li, mas, segundo recomendações, é boa fonte de estudos, com bom desenvolvimento do tópico de teoria das Relações Internacionais.
- União Europeia: História e Geopolítica (Demétrio Magnoli)
- Coleç~o “O Livro na Rua”, da FUNAG – pequenos livros sobre diversos assuntos de política internacional. A coleção está disponível para download no “REL UnB”.

>> ATUALIDADES

Fique por dentro de todas as reuniões de que o Brasil participou recentemente (principalmente, no último ano antes da prova). Tratados assinados e ratificados, envolvimento do país nas organizações internacionais, evolução recente das organizações e dos grupos de países dos quais o Brasil faz parte (atenção especial para as integrações na América do Sul – destaque para o MERCOSUL e para a UNASUL – e para determinados grupos, como IBAS, BRICS, BASIC, G-20 comercial, G-20 financeiro etc.), participação do país na solução de conflitos (em operações de paz, em missões de assistência humanitária etc.), promoção de cooperação técnica etc. Conhecer como andam as relações entre o Brasil e os principais países para a política externa do país é, também, fundamental (conforme o Guia de Estudos, atenção para Argentina, América do Sul, EUA, União Europeia, França, Inglaterra, Alemanha, África, China, Japão, Índia, Rússia, Oriente Médio18) – não precisa decorar tudo, obviamente, mas ter uma ideia de como andam as relações com essas regiões é importante (“o comércio Brasil-China é superavitrio ou deficitrio para o Brasil?”, “qual é o maior parceiro comercial do Brasil na África?”, “quais as principais parcerias realizadas entre Brasil e África?”, esse tipo de coisa). Além disso, atenção à participação do Brasil nos grandes temas da agenda internacional (conforme o Guia de Estudos, atenção a: multilateralismo, desenvolvimento, combate à fome, meio ambiente, direitos humanos, comércio internacional, sistema financeirob internacional, desarmamento e não proliferação, terrorismo, narcotráfico, reforma da ONU, cooperação Sul-Sul). Por fim, é, ainda, necessário saber um pouco do que aconteceu de mais importante no cenário internacional, no último ano (especialmente, o que envolver o Brasil).
18 Esses dados podem ser encontrados no “Resumo Executivo” da política externa brasileira de 2003-2010, que será descrito mais à frente. Além disso, a página do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC - http://www.mdic.gov.bsitio/) também tem muita informação importante.
Eu sei que isso é muito geral e há muita coisa aí, mas é preciso atentar, especialmente, aos principais encontros e reuniões ocorridos e aos assuntos mais importantes para os principais temas da agenda internacional (principalmente os que envolvam o Brasil, ou os que sejam de grande relevância, como os conflitos no Oriente Médio, por exemplo). Enfim, pode parecer muita coisa (e, realmente, é bastante coisa), mas não é tanto quanto se imagina à primeira vista. Não sei se há alguma utilidade prática em ler coisas como o Almanaque Abril, por exemplo, talvez seja mais útil acompanhar alguns artigos da Revista Brasileira de Política Internacional (RBPI) ou de revistas como o Mundorama e o Meridiano 47. O “Resumo Executivo”, descrito abaixo, pode cobrir bem toda a parte de 2003 a 2010, e sua tarefa fica restrita ao que aconteceu de 2010 para cá, o que já é bom começo. Fique atento ao último volume da RBPI publicado antes da terceira fase do concurso que você for fazer, pois há boas chances de que algo relativo a essa temática seja cobrado (isso também vale para a prova de Direito da terceira fase, caso haja algum artigo sobre temas de Direito Internacional). Último conselho quanto a isso é: não é porque o concurso está próximo (ou, mesmo, porque a primeira fase já aconteceu) que você pode se desligar dos acontecimentos mundiais. Na prova da terceira fase de 2010, por exemplo, havia uma questão sobre a CELAC, criada em uma cúpula internacional de fevereiro daquele ano, quando até mesmo a segunda fase do concurso já havia ocorrido. Em 2011, o conflito na Líbia, ainda em curso quando da realização da prova, foi objeto de questão ampla sobre as consequências do confronto.
Para acompanhar as notícias internacionais, há diversas fontes, mas nem todas são muito úteis para o concurso. Se você quiser ler Foreign Policy e The Economist, por exemplo, para treinar o Inglês, acho que pode ser útil. Cuidado, apenas, para não se desligar muito dos estudos, entretidos sobre os resultados das eleições no Gabão (que, com certeza, não serão cobrados no concurso). Não acompanhei as notícias com muita frequência ou com um ritual rotineiro. Eu lia, de vem em quando, algumas notícias aqui e ali, uma entrevista, um vídeo no YouTube19 etc., mas nada muito detido ou aprofundado, eu nem tinha tempo para isso. Os fact sheets do Laboratório de Análise de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (LARI) podem ser ótima fonte de estudos para atualidades internacionais. Para quem é de Brasília, há encontros periódicos de discussão desses temas. Para ter acesso aos fact sheets e para ser informado das reuniões do LARI, você pode cadastrar-se no grupo Yahoo “LARI – UnB” (http://br.groups.yahoo.com/group/lari_unb/). Os fact sheets antigos estão disponíveis no arquivo do grupo.
Na página do MRE, muitos recomendam a seleção diária de notícias, mas parece que a página está com problemas ultimamente. Acho que a melhor fonte de “notícias” e de atualidades sobre a política externa brasileira para quem está estudando para o CACD está também no site do MRE: as Notas à Imprensa (http://www.itamaraty.gov.bsala-de-imprensa/notas-a-imprensa/view) e os discursos, artigos e entrevistas de autoridades governamentais sobre política externa (http://www.itamaraty.gov.bsala-de-imprensa/discursos-artigos-entrevistas-e-outras- comunicacoes/view). Na página das Notas à Imprensa, é possível fazer busca por tema (e.g. BRIC), que retorna as últimas comunicações referentes ao tema buscado, o que é ótima fonte de informação sobre as principais temáticas concernentes à atuação da política externa brasileira recente. Várias notícias e artigos interessantes são enviados para alguns grupos de emails do Yahoo, como “CACD IRBr” (http://br.groups.yahoo.com/group/cacdirb) e “Dilogo Diplomtico” (http://br.groups.yahoo.com/group/dialogodiplomatico/”). Cadastre-se!
Agora, a dica de ouro para estudar a política externa brasileira nos últimos anos. O MRE publicou, recentemente, o “Balanço de Política Externa – 2003-2010”. Eu até diria que valeria a pena selecionar os temas mais importantes e estudá-los, se o arquivo total não tivesse quase 900 páginas. Melhor que isso: h um “Resumo Executivo” (43 pginas), que é um resumo de praticamente tudo o que é preciso saber sobre evolução recente da política externa brasileira. É muita informação útil, e aconselho tirar as principais informações do texto (sempre de olho no Guia de Estudos) e montar tabelas, mapas mentais, resumos, qualquer coisa que ajude a gravar (principalmente para a terceira fase). Leia quantas vezes puder. Especialmente para o item “16. A agenda internacional e o Brasil” do Guia de Estudos, sugiro a leitura do próprio “Balanço de Política Externa” (somada a alguns aprofundamentos em temas específicos; faça uso dos artigos disponibilizados em algumas páginas especializados, como “RBPI”, “Mundialistas”, “Mundorama” e “Meridiano 47”, entre outros), uma vez que o “Resumo Executivo” é um pouco pobre nesses assuntos (atenção especial para as partes “Temas da Agenda”, “Segurança Alimentar”, “Reforma da Governança Global”, “Negociações Comerciais”, “Cooperação Internacional” e “Assistência Humanitria”). O “Resumo Executivo” est disponível para download no “REL UnB” (juntamente com o “Balanço de Política Externa”, tanto na vers~o completa quanto nas versões individuais de suas diversas partes).
19 Alguns canais do YouTube, como o da América Latina-Jazeera, têm boas reportagens sobre política internacional.
Juntando os quatro “livros sagrados” citados acima, o “Balanço de Política Externa”/“Resumo Executivo” e uma atualizaç~o quanto aos acontecimentos recentes, é bem provvel que boa parte das questões de Política Internacional do CACD (na primeira e na terceira fases) seja respondida. Obviamente, sempre haverá algo que vai ficar de fora, e apenas leituras adicionais de notícias e de atualidades e buscas pontuais em diversas fontes poderão ajudar. Sempre que há temas muito importantes para a política externa brasileira, alguém de prestígio costuma escrever um artigo a respeito (inclusive o próprio Ministro das Relações Exteriores). Além disso, os discursos sobre alguns temas específicos proferidos pelo Ministro, pelo Presidente da República ou pelo representante brasileiro em algum fórum multilateral, por exemplo, podem ser facilmente encontrados na internet. No site do MRE, as Notas à Imprensa de visitas oficiais, por exemplo, são, de modo geral, abrangentes e informativas. Mais uma vez, é necessário conferir, no Guia de Estudos, o que pode ser cobrado (tanto para relações bilaterais quanto para participação em organizações internacionais). Não precisa estudar a Nota à Imprensa de eventual visita do Ministro ao Sri Lanka e coisas do tipo. Acho que vale a pena acompanhar os últimos acontecimentos por esses meios. De todo modo, a bibliografia aqui descrita visa, apenas, a dar uma visão ampla acerca dos grandes temas cobrados nas provas. É preciso ter consciência de que, por mais preparado que você esteja, é muito provável que sejam cobradas algumas coisas que você não sabe na íntegra. Sabendo, pelo menos, algo mais geral, é possível tentar inferir as respostas corretas e aprofundar a discussão em diversos aspectos, e isso é, a meu ver, o mais importante no concurso.
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.03.27 14:46 tatubolinha2000 Mantenha-se informado 27/03

📰 JRMUNEWS 🗞 Ano 2 – Nº 404 🗺 Notícias do Brasil e do Mundo 🗓 Sexta-Feira, 27 de março de 2020 ⏳ 87º dia do ano no calendário gregoriano 🌘 Lua Crescente 6% visível
💭 Frase do dia: Tudo o que um sonho precisa para ser realizado é alguém que acredite que ele possa ser realizado. - Roberto Shinyashiki
Hoje é dia... 🔹 do Artista Circense 🔹 do Ator 🔹 do Cinema Gaúcho 🔹 do Circo 🔹 da Inclusão Digital 🔹 do Serviço de Saúde 🔹 do Teatro
😇 Santo do dia: 🔹 São Ruperto
🎂 Municípios aniversariantes: Fonte: IBGE • Bento de Abreu-SP • Caldas-MG • Choró-CE • Fortim-CE • Itaitinga-CE • Itirapuã-SP • Magalhães Barata-PA • Mairiporã-SP • Ouriçangas-BA • Presidente Epitácio-SP • São Geraldo-MG • União da Vitória-PR
🇧🇷 BRASIL 🇧🇷 ✍ Presidente Bolsonaro voltou a minimizar epidemia e diz que brasileiro pula no esgoto e não pega nada ✍ Governo proíbe por 30 dias desembarque de estrangeiros em portos ✍ "O presidente sou eu", diz Bolsonaro após fala de Mourão sobre isolamento ✍ Decreto de Bolsonaro autoriza abertura de templos religiosos ✍ Ex-chefe da Casa Militar de Dilma assumirá Estado-Maior do Exército ✍ Governo zera imposto de importação de medicamentos contra a covid-19 ✍ Governo prepara decreto para prefeituras sobre transporte de cargas ✍ Teste de coronavírus de ministro Paulo Guedes deu negativo ✍ Filhos de Bolsonaro atuam em gabinete paralelo para reverter desgaste ✒ Câmara aprova auxílio de R$ 600 por mês para trabalhador informal ⚖ PGR quer que R$ 51 milhões atribuídos a Geddel vão para covid-19 ⚖ CNT vai ao STF para impedir fechamento de divisas estaduais ⚖ Justiça anula decisão que impedia entrada de estrangeiros em Fortaleza-CE ⚖ Defensoria Pública de SP entra com liminar em favor de idosos presos ⚖ STJ autoriza prisão domiciliar para quem deve pensão alimentícia ⚖ Justiça Federal no RJ bloqueia bens de 26 réus da Operação Furna da Onça a pedido do MPF ⚖ STF suspende trecho da MP de Bolsonaro da Lei de Acesso à Informação ⚖ Ministro do STF, Marco Aurélio nega suspender mudanças na lei trabalhista ⚖ Juíza manda Cunha para prisão domiciliar por causa da Covid-19 📌 Universidades e sociedade civil se juntam para produzir máscaras ☔ Inundação em Santana do Ipanema-AL causa danos em mais de 100 moradias ❄ Rio de Janeiro tem menor temperatura do ano pelo segundo dia consecutivo, diz Inmet 📍 Doria pede que igrejas façam missas e cultos virtuais após Bolsonaro incluir atividades religiosas como serviço essencial 📍 Supermercado em São Gonçalo-RJ verifica temperatura de clientes na porta para evitar contágio de coronavírus 📍 Tráfico e milícia ordenam toque de recolher em favelas do Rio 📍 Indígenas bloqueiam aldeias de SP para se protegerem do vírus 🚑 Criança de 5 anos é resgatada dois dias depois de ser picada por cobra jararaca em aldeia de Cruzeiro do Sul-AC 🚓 Dupla é detida em SP por incitar população a voltar às ruas 🚓 Polícia apreende álcool gel que era produzido em fábrica clandestina em Mesquita-RJ 🚓 Dois são presos por roubo de doses de vacina contra a gripe em Embu das Artes-SP 🚓 Corretor de São Gonçalo-RJ conta que bala perdida atingiu celular que estava na cama enquanto dormia 🚓 Assaltante é morto após tentar roubar mulher em posto de vacinação no Rio 🚓 Polícia prende em São Paulo suspeito de realizar mega-assalto no Paraguai 🚓 Francês é assassinado a tiros no Sítio Histórico de Olinda-PE
🌎 INTERNACIONAL 🌍 🇺🇸 Em carta, presidente Trump pede para americanos ficarem em casa por coronavírus 🇬🇧 Tossir em policiais e lojistas britânicos pode dar cadeia de até 2 anos 🇬🇧 Príncipe Charles, de 71 anos, está infectado com o coronavírus 🇺🇳 OMS reforça proposta de isolamento social contra coronavírus 🇻🇦 Papa Francisco tem teste com resultado negativo para coronavírus, diz imprensa 🇵🇾 Exército do Paraguai coloca arame farpado na fronteira com o Brasil 🇮🇱 Opositor Benny Gantz é eleito presidente do Parlamento de Israel 🇻🇪 EUA acusam formalmente Maduro de 'narcoterrorismo' e oferecem recompensa 🇺🇸 Pedidos semanais de auxílio-desemprego nos EUA disparam com pandemia 🇨🇳 China suspende entrada de estrangeiros devido ao coronavírus 🇪🇺 União Europeia celebra 25 anos de livre circulação com fronteiras fechadas 🇺🇾 Uruguai prepara medidas para evitar desabastecimento
🖤 MORTES 🖤 ✝ Naomi Munakata, maestrina titular do Coral Paulistano, por coronavírus, em SP, aos 64 anos ✝ Mark Blum, ator de 'You', por complicações causadas pelo coronavírus, aos 69 anos ✝ Marianne Ebert, atriz de 'Barriga de Aluguel' e 'Sonho Meu', de câncer, aos 51 anos ✝ Martinho Lutero Galati de Oliveira, maestro, após contrair coronavírus em SP, aos 66 anos ✝ Zoca, irmão mais novo de Pelé, de câncer de próstata, na cidade de Santos, aos 77 anos ✝ Michel Hidalgo, técnico campeão da Euro 84 pela França, de causas naturais, aos 87 anos
🧫 CORONAVÍRUS (Covid-19) 😷 😷 Brasil registra 77 mortes; casos são quase 3 mil; Perfil das vítimas: homem, com mais de 60 anos e problemas no coração 😷 Mundo tem 100 mil novos casos em 2 dias, e total passa de meio milhão 😷 EUA passam a China e se tornam o novo epicentro da epidemia com mais casos confirmados no mundo, 82 mil 😷 Espanha supera os 4 mil mortos 😷 Itália tem mais de 8 mil mortes desde o início do surto 😷 Com 500 mil testes por semana, Alemanha tem uma das menores taxas de letalidade na Europa 😷 África do Sul sobe para 927 casos antes do recolher obrigatório 😷 França registra 365 mortes por coronavírus em 24 horas 😷 China registra 54 casos importados, e país se isola 😷 Morte de jovem de 21 anos saudável acende alerta no Reino Unido 😷 Garota de 16 anos sem histórico de doenças morre na França 😷 Rede de contágio: uma pessoa infectada pode transmitir para até 3 😷 Perda de olfato pode indicar infecção pelo novo coronavírus
💰 ECONOMIA 💲 💰 Ibovespa sobe pelo 3º pregão consecutivo e acumula alta de 22%; dólar fecha abaixo de R$ 5,00 💰 G20 injeta US$ 5 trilhões na economia para conter coronavírus 💰 Liquigás reforça higiene e mantém entrega de gás de cozinha 💰 Presidente do BC diz que atual patamar da Selic é apropriado 💰 Crise no setor de petróleo pode ser a pior em 100 anos, diz executivo 💰 Mais de 7,5 milhões de contribuintes entregaram declaração do IR 💲 Custo da construção sobe 0,38% em março, diz FGV 💲 Agricultura prorroga validade de declaração do pequeno produtor 💲 Caixa corta juros do cheque especial e do cartão para 2,9% ao mês 💲 Bolsas dos EUA avançam e têm 3º dia consecutivo de ganhos 💲 Petróleo despenca após G-20 ignorar guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia 💲 Escassez de produtos frescos deve afetar Europa em meio a paralisações por coronavírus 💲 Iata projeta queda de 40% em receita do setor aéreo no Brasil em 2020 💲 Oi tem prejuízo de R$ 2,3 bilhões no 4° trimestre 📊 Indicadores: 🏦 Ibovespa 77709 pontos 📈 💵 Dólar Canadá R$ 3,555 📈 💵 Dólar Comercial R$ 4,997 📉 💵 Dólar Turismo R$ 4,80📉 💶 Euro R$ 5,524 📈 💷 Libra R$ 6,077 📈 💸 Bitcoin R$ 33.461,21📈 💸 Bitcoin Cash R$ 1.135,04📈 💸 XRP R$ 0,86📈 🔶 Ouro (g) R$ 262,82 📉 ⚪ Prata (g) R$ 2,3226 📉 💰 Poupança 0,245% a.m. 💰 Selic 3,75% a.a. 💰 CDI 3,65% a.a. 💰 IPCA a.m. fev/20 0,25% 💰 IPCA a.a. 2020 0,4605% 💰 IPCA acum. 12m 4,0049% ⛽ Petróleo Brent (barril) US$ 26.960 📉 ⛏ Minério de Ferro 62% US$ 88,77 📉 🐂 Boi (@) R$ 201,85 📈 ☕ Café (sc) R$ 582,00 📉 🌽 Milho (sc) R$ 59,21 📉 🥚 Ovos (30 dz) R$ 102,16 ↔ 🥜 Soja (sc) R$ 98,55 📉
🔬 CIÊNCIA, TECNOLOGIA & SAÚDE 💓 💓 Projeto que taxa grandes fortunas destina recursos para a saúde 💓 Produtores de cachaça vão doar 70 mil de litros de álcool ao SUS 💓 Obras de hospital do Pacaembu em SP ganham divisórias para 200 leitos 💓 Ministério da Saúde lança serviço no celular para tirar dúvidas sobre o novo coronavírus 💓 Hospital das Clínicas de SP libera 900 leitos para casos de coronavírus 🖱 Vendas globais de smartphones têm queda de 14% em fevereiro, mostra pesquisa 🖱 YouTube retira 14 vídeos com falsos tratamentos médicos contra a Covid-19 🖱 Spotify fará doação milionária para ajudar indústria da música
🏆 ESPORTES 🏆 ☑ Amandinha, jogadora da seleção brasileira de futsal é eleita a melhor do mundo pela sexta vez ☑ Lutador Jon Jones é preso por dirigir bêbado, sem documento e com arma de fogo ☑ Maracanã transforma-se em hospital de campanha no RJ ☑ Após encontro com príncipe Charles, lutador Anthony Joshua se isola em casa
🎭 ARTE & FAMA 🌟 🎙 Emicida refaz voo de 'Passarinhos' em remix com banda chilena Moral Distraída 🎙 Péricles se junta ao rapper Fábio Brazza no single 'Só uma noite' 🌟 Mariana Ferrão contrai coronavírus e deixa vizinhos em pânico 📺 Netflix renova reality shows, incluindo 'Love is Blind' e 'The Circle' 📺 Band sai do ar em todo o Brasil e volta uma hora depois 📺 Audiência da Globo dispara, ibope é maior do que todas as emissoras somadas 📺 Gizelly é a décima líder do BBB 20; Gabi e Mari estão no paredão 🎞 Filme narrado por Meghan será lançado em 3 de abril, anuncia Disney
🔎 #FAKENEWS: Não é verdade que Presidente da China, Xi Jinping, faz discurso falando em nova era, exército e guerra inevitável. Fonte: Boatos..org
🛳 TURISMO ✈ 🎒 Conheça Entre Rios-MG: Integrante do Circuito Trilha dos Inconfidentes - juntamente com outros 20 municípios da região – Entre Rios reúne e oferece encantos típicos de Minas. Entre eles estão a boa mesa, as cachoeiras, o artesanato, a tranquilidade. Nas ruas calmas da cidade estão casarões e prédios centenários como a Igreja Matriz de Nossa Senhora das Brotas, de influência neogótica; e o prédio do Hospital Cassiano Campolina, onde lindas pinturas se sobressaem na edificação de linhas neoclássicas. Lá dentro fica a capela de Nossa Senhora das Dores, que vale a visita ao hospital. Já na zona rural os destaques são as fazendas coloniais. A mais imponente é a Olhos d’Água, que abriga uma capela da primeira fase da arte colonial mineira; as ruínas de uma Casa de Pedra e várias cachoeiras como a dos Coqueiros e a do Gordo, perfeitas para banhos nos meses de verão. E por falar em zona rural, a cidade ficou conhecida pela criação e seleção dos cavalos da raça Campolina. Não por acaso, as cavalgadas em meio a trilhas são umas das atividades imperdíveis por lá. Para ver a cidade colorida e animada, visite Entre Rios em julho. No mês das férias acontece a tradicional Festa da Colheita, com exposição de animais, rodeios, shows, barraquinhas e desfile de carros de boi enfeitados. Já em agosto é a vez da Festa de Nossa Senhora de Brotas, com procissões e missas. Voltar de Minas de malas vazias é impossível. Em Entre Rios, as lembrancinhas artesanais são variadas: tem cachaça, licor, doce caseiro de frutas da terra, cestaria, tear, cachepô em palha de milho, bordados. Fonte: Férias Brasil
📚 FIQUE SABENDO... ...Por que as pessoas sentem tanto frio nos pés e nas mãos? ⁉ Sente-se mais frio nas extremidades do corpo porque a circulação periférica é menor do que a do centro do corpo. O sangue, como uma forma de defesa, corre mais intensamente perto dos órgãos vitais, como o coração. Fonte: O Guia dos Curiosos
📖 BÍBLIA: Ó povo de Sião, alegre-se e regozije-se no Senhor, o seu Deus, pois ele dá a vocês as chuvas de outono, conforme a sua justiça. Ele envia a vocês muitas chuvas, as de outono e as de primavera, como antes fazia. Joel 2:23 🙏
Que seu dia seja como a vontade de DEUS: bom, perfeito e agradável!! 🥖
By JRMUNEWS 🐞 🗺 Pariquera-Açu-SP 📝 Fazendo diferente e a diferença
🤓 LEIA E COMPARTILHE 📤
Visite, curta, siga, comente, avalie, compartilhe nossa página no Facebook:
https://www.facebook.com/JRMUNEWS/
submitted by tatubolinha2000 to DiretoDoZapZap [link] [comments]


2019.03.27 18:06 saint-simon97 Jogadores do Sporting nas seleções nacionais (3/2019)

Findou mais uma ronda de emocionantes partidas entre seleções nacionais e como é hábito vários atletas nossos foram convocados para jogos que se realizaram pelo planeta fora.
A nível das seleções A começarei pela defesa, dado que os nossos guardiões Renan e Salin lamentavelmente não entraram nas contas de Tite e Deschamps para estas datas FIFA. Numa dupla jornada que viu o Uruguai em encontros amigáveis vencer Usbequistão e Tailândia por três e quatro golos sem resposta, respetivamente, o patrão do nosso eixo Seba Coates apenas jogou na primeira dessas partidas e na condição de suplente, substituindo Diego Godín à hora de jogo.
Stefan Ristovski foi totalista nas partidas a contar para a qualificação do Euro 2020 da Macedónia do Norte frente a Letónia (vitória por 3-1) e Eslovénia (1-1), tendo atuado a lateral direito na partida de Escópia e a ala direito na partida em Liubliana, assumindo a braçadeira de capitão neste último jogo após a substituição de Goran Pandev por Aleksandar Trajkovski. (estatísticas vs Letónia; estatísticas vs Eslovénia).
O lateral esquerdo Cristian Borja foi preterido por Deiver Machado, do Atlético Nacional, no primeiro jogo da Colômbia frente ao Japão (vitória por 1-0), mas alinhou os 90 minutos na derrota dos cafeteros por 2-1 frente à República da Coreia, em Seul, numa partida que teve nos bancos dois ex-treinadores do nosso clube. Ambos os jogos foram particulares.
O lateral/ala/médio/extremo do Sporting Marcos Acuña não jogou na “surpreendente” derrota da Argentina por 1-3 frente à Venezuela, um dos dois jogos amigáveis realizados pela formação de Scaloni, no encontro que ficou marcado por ser a primeira vez na história em que um jogador do Tondela faturou frente a uma equipa onde alinhava Lionel Messi. Em Tânger, por outro lado, o nosso atleta fez os 90 minutos ajudando a Albiceleste a golear Marrocos por uma bola a zero, com golo de Ángel Correa. (estatísticas vs Marrocos)
Bruno Fernandes sentiu queixas físicas num dos treinos de preparação de Portugal para o jogo contra a Ucrânia não tendo conseguido ajudar a seleção da Luz quer frente aos ucranianos, quer frente à Sérvia.
Em África, Abdoulaye Diaby somou 90 minutos durante a vitória por 3-0 do Mali na receção ao Sudão do Sul, numa partida em que o nosso ex-jogador Kiki Kouyaté não saiu do banco, contribuindo para a clean sheet da equipa da casa. Fechando o grupo de qualificação para a CAN com 14 pontos (4V-2E-0D), passando à fase final em conjunto com o Burundi. No segundo jogo, amigável frente ao Senegal (derrota por 2-1; Kiki fez os 90 minutos; Hadi Sacko não jogou qualquer minuto tal como na primeira partida), o nosso atacante não teve igual sorte, abandonando o terreno à meia hora de jogo devido a lesão, estando agora em dúvida para o jogo de Chaves.
Nas seleções jovens destaque para a titularidade de Thierry Correia na vitória dos sub-20 portugueses sobre a Inglaterra, Max entrou ao intervalo. Idrissa Doumbia esteve no duplo encontro dos sub-23 da Costa do Marfim frente a Níger a contar para a qualificação para a CAN sub-23 (vitórias por 1-2 e 6-1), tendo sido titular pelo menos na segunda mão, em casa, mas como não consigo encontrar informação detalhada em lado nenhum, fiquem com esta invasão de campo.
Dimitar Mitrovski alinhou pelos sub-21 da Macedónia do Norte, que participaram na Antalya Cup, realizando três jogos num espaço de cinco dias (!), frente a Ucrânia (derrota por 3-1; seleção que havia de vencer o torneio), Letónia (derrota por 1-0) e Estónia (1-1). Com várias substituições permitidas, o jogador do Sporting jogou como titular na primeira e última partida, tendo sido substituído em ambas, e entrou na segunda parte do jogo frente aos sub-21 letões.
Creio que não me faltou mais ninguém (tirando sub-19s e cenas assim que tenho mais que fazer que ir procurar), li por aí que o Dean Liço jogava pelos jovens da Albânia, mas não me parece que tenha figurado nesta ronda.
Obg.
submitted by saint-simon97 to SportingCP [link] [comments]


2017.08.11 21:54 feedreddit Esfera de influência: como os libertários americanos estão reinventando a política latino-americana

Esfera de influência: como os libertários americanos estão reinventando a política latino-americana
by Lee Fang via The Intercept
URL: http://ift.tt/2uO9Icf
Para Alejandro Chafuen, a reunião desta primavera no Brick Hotel, em Buenos Aires, foi tanto uma volta para casa quanto uma volta olímpica. Chafuen, um esguio argentino-americano, passou a vida adulta se dedicando a combater os movimentos sociais e governos de esquerda das Américas do Sul e Central, substituindo-os por uma versão pró-empresariado do libertarianismo.
Ele lutou sozinho durante décadas, mas isso está mudando. Chafuen estava rodeado de amigos no Latin America Liberty Forum 2017. Essa reunião internacional de ativistas libertários foi patrocinada pela Atlas Economic Research Foundation, uma organização sem fins lucrativos conhecida como Atlas Network (Rede Atlas), que Chafuen dirige desde 1991. No Brick Hotel, ele festejou as vitórias recentes; seus anos de trabalho estavam começando a render frutos – graças às circunstâncias políticas e econômicas e à rede de ativistas que Chafuen se esforçou tanto para criar.
Nos últimos 10 anos, os governos de esquerda usaram “dinheiro para comprar votos, para redistribuir”, diz Chaufen, confortavelmente sentado no saguão do hotel. Mas a recente queda do preço das commodities, aliada a escândalos de corrupção, proporcionou uma oportunidade de ação para os grupos da Atlas Network. “Surgiu uma abertura – uma crise – e uma demanda por mudanças, e nós tínhamos pessoas treinadas para pressionar por certas políticas”, observa Chafuen, parafraseando o falecido Milton Friedman. “No nosso caso, preferimos soluções privadas aos problemas públicos”, acrescenta.
Chafuen cita diversos líderes ligados à Atlas que conseguiram ganhar notoriedade: ministros do governo conservador argentino, senadores bolivianos e líderes do Movimento Brasil Livre (MBL), que ajudaram a derrubar a presidente Dilma Rousseff – um exemplo vivo dos frutos do trabalho da rede Atlas, que Chafuen testemunhou em primeira mão.
“Estive nas manifestações no Brasil e pensei: ‘Nossa, aquele cara tinha uns 17 anos quando o conheci, e agora está ali no trio elétrico liderando o protesto. Incrível!’”, diz, empolgado. É a mesma animação de membros da Atlas quando o encontram em Buenos Aires; a tietagem é constante no saguão do hotel. Para muitos deles, Chafuen é uma mistura de mentor, patrocinador fiscal e verdadeiro símbolo da luta por um novo paradigma político em seus países.
O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, à esquerda, dentro de um carro em direção ao aeroporto, onde pegaria um voo para a Nicarágua nos arredores de San José. Domingo, 28 de junho de 2009.
Foto: Kent Gilbert/AP
Uma guinada à direita está em marcha na política latino-americana, destronando os governos socialistas que foram a marca do continente durante boa parte do século XXI – de Cristina Kirchner, na Argentina, ao defensor da reforma agrária e populista Manuel Zelaya, em Honduras –, que implementaram políticas a favor dos pobres, nacionalizaram empresas e desafiaram a hegemonia dos EUA no continente. Essa alteração pode parecer apenas parte de um reequilíbrio regional causado pela conjuntura econômica, porém a Atlas Network parece estar sempre presente, tentando influenciar o curso das mudanças políticas.
A história da Atlas Network e seu profundo impacto na ideologia e no poder político nunca foi contada na íntegra. Mas os registros de suas atividades em três continentes, bem como as entrevistas com líderes libertários na América Latina, revelam o alcance de sua influência. A rede libertária, que conseguiu alterar o poder político em diversos países, também é uma extensão tácita da política externa dos EUA – os _think tanks_associados à Atlas são discretamente financiados pelo Departamento de Estado e o National Endowment for Democracy (Fundação Nacional para a Democracia – NED), braço crucial do _soft power_norte-americano.
Embora análises recentes tenham revelado o papel de poderosos bilionários conservadores – como os irmãos Koch – no desenvolvimento de uma versão pró-empresariado do libertarianismo, a Atlas Network – que também é financiada pelas fundações Koch – tem usado métodos criados no mundo desenvolvido, reproduzindo-os em países em desenvolvimento. A rede é extensa, contando atualmente com parcerias com 450 _think tanks_em todo o mundo. A Atlas afirma ter gasto mais de US$ 5 milhões com seus parceiros apenas em 2016.
Ao longo dos anos, a Atlas e suas fundações caritativas associadas realizaram centenas de doações para _think tanks_conservadores e defensores do livre mercado na América Latina, inclusive a rede que apoiou o Movimento Brasil Livre (MBL) e organizações que participaram da ofensiva libertária na Argentina, como a Fundação Pensar, um _think tank_da Atlas que se incorporou ao partido criado por Mauricio Macri, um homem de negócios e atual presidente do país. Os líderes do MBL e o fundador da Fundação Eléutera – um _think tank_neoliberal extremamente influente no cenário pós-golpe hondurenho – receberam financiamento da Atlas e fazem parte da nova geração de atores políticos que já passaram pelos seus seminários de treinamento.
A Atlas Network conta com dezenas de _think tanks_na América Latina, inclusive grupos extremamente ativos no apoio às forças de oposição na Venezuela e ao candidato de centro-direita às eleições presidenciais chilenas, Sebastián Piñera.
Protesto a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff diante do Congresso Nacional, em Brasília, no dia 2 de dezembro de 2015.
Photo: Eraldo Peres/AP
Em nenhum outro lugar a estratégia da Atlas foi tão bem sintetizada quanto na recém-formada rede brasileira de _think tanks_de defesa do livre mercado. Os novos institutos trabalham juntos para fomentar o descontentamento com as políticas socialistas; alguns criam centros acadêmicos enquanto outros treinam ativistas e travam uma guerra constante contra as ideias de esquerda na mídia brasileira.
O esforço para direcionar a raiva da população contra a esquerda rendeu frutos para a direita brasileira no ano passado. Os jovens ativistas do MBL – muitos deles treinados em organização política nos EUA – lideraram um movimento de massa para canalizar a o descontentamento popular com um grande escândalo de corrupção para desestabilizar Dilma Rousseff, uma presidente de centro-esquerda. O escândalo, investigado por uma operação batizada de Lava-Jato, continua tendo desdobramentos, envolvendo líderes de todos os grandes partidos políticos brasileiros, inclusive à direita e centro-direita. Mas o MBL soube usar muito bem as redes sociais para direcionar a maior parte da revolta contra Dilma, exigindo o seu afastamento e o fim das políticas de bem-estar social implementadas pelo Partido dos Trabalhadores (PT).
A revolta – que foi comparada ao movimento Tea Party devido ao apoio tácito dos conglomerados industriais locais e a uma nova rede de atores midiáticos de extrema-direita e tendências conspiratórias – conseguiu interromper 13 anos de dominação do PT ao afastar Dilma do cargo por meio de um impeachment em 2016.
O cenário político do qual surgiu o MBL é uma novidade no Brasil. Havia no máximo três _think tanks_libertários em atividade no país dez anos atrás, segundo Hélio Beltrão, um ex-executivo de um fundo de investimentos de alto risco que agora dirige o Instituto Mises, uma organização sem fins lucrativos que recebeu o nome do filósofo libertário Ludwig von Mises. Ele diz que, com o apoio da Atlas, agora existem cerca de 30 institutos agindo e colaborando entre si no Brasil, como o Estudantes pela Liberdade e o MBL.
“É como um time de futebol; a defesa é a academia, e os políticos são os atacantes. E já marcamos alguns gols”, diz Beltrão, referindo-se ao impeachment de Dilma. O meio de campo seria “o pessoal da cultura”, aqueles que formam a opinião pública.
Beltrão explica que a rede de _think tanks_está pressionando pela privatização dos Correios, que ele descreve como “uma fruta pronta para ser colhida” e que pode conduzir a uma onda de reformas mais abrangentes em favor do livre mercado. Muitos partidos conservadores brasileiros acolheram os ativistas libertários quando estes demonstraram que eram capazes de mobilizar centenas de milhares de pessoas nos protestos contra Dilma, mas ainda não adotaram as teorias da “economia do lado da oferta”.
Fernando Schüler, acadêmico e colunista associado ao Instituto Millenium – outro _think tank_da Atlas no Brasil – tem uma outra abordagem. “O Brasil tem 17 mil sindicatos pagos com dinheiro público. Um dia de salário por ano vai para os sindicatos, que são completamente controlados pela esquerda”, diz. A única maneira de reverter a tendência socialista seria superá-la no jogo de manobras políticas. “Com a tecnologia, as pessoas poderiam participar diretamente, organizando – no WhatsApp, Facebook e YouTube – uma espécie de manifestação pública de baixo custo”, acrescenta, descrevendo a forma de mobilização de protestos dos libertários contra políticos de esquerda. Os organizadores das manifestações anti-Dilma produziram uma torrente diária de vídeos no YouTube para ridicularizar o governo do PT e criaram um placar interativo para incentivar os cidadãos a pressionarem seus deputados por votos de apoio ao impeachment.
Schüler notou que, embora o MBL e seu próprio _think tank_fossem apoiados por associações industriais locais, o sucesso do movimento se devia parcialmente à sua não identificação com partidos políticos tradicionais, em sua maioria vistos com maus olhos pela população. Ele argumenta que a única forma de reformar radicalmente a sociedade e reverter o apoio popular ao Estado de bem-estar social é travar uma guerra cultural permanente para confrontar os intelectuais e a mídia de esquerda.
Fernando Schüler.Foto:captura de tela do YouTubeUm dos fundadores do Instituto Millenium, o blogueiro Rodrigo Constantino, polariza a política brasileira com uma retórica ultrassectária. Constantino, que já foi chamado de “o Breitbart brasileiro” devido a suas teorias conspiratórias e seus comentários de teor radicalmente direitistas, é presidente do conselho deliberativo de outro _think tank_da Atlas – o Instituto Liberal. Ele enxerga uma tentativa velada de minar a democracia em cada movimento da esquerda brasileira, do uso da cor vermelha na logomarca da Copa do Mundo ao Bolsa Família, um programa de transferência de renda. Constantino é considerado o responsável pela popularização de uma narrativa segundo a qual os defensores do PT seriam uma “esquerda caviar”, ricos hipócritas que abraçam o socialismo para se sentirem moralmente superiores, mas que na realidade desprezam as classes trabalhadoras que afirmam representar. A “breitbartização” do discurso é apenas uma das muitas formas sutis pelas quais a Atlas Network tem influenciado o debate político.
“Temos um Estado muito paternalista. É incrível. Há muito controle estatal, e mudar isso é um desafio de longo prazo”, diz Schüler, acresentando que, apesar das vitórias recentes, os libertários ainda têm um longo caminho pela frente no Brasil. Ele gostaria de copiar o modelo de Margaret Thatcher, que se apoiava em uma rede de _think tanks_libertários para implementar reformas impopulares. “O sistema previdenciário é absurdo, e eu privatizaria toda a educação”, diz Schüler, pondo-se a recitar toda a litania de mudanças que faria na sociedade, do corte do financiamento a sindicatos ao fim do voto obrigatório.
Mas a única maneira de tornar tudo isso possível, segundo ele, seria a formação de uma rede politicamente engajada de organizações sem fins lucrativos para defender os objetivos libertários. Para Schüler, o modelo atual – uma constelação de _think tanks_em Washington sustentada por vultosas doações – seria o único caminho para o Brasil.
E é exatamente isso que a Atlas tem se esforçado para fazer. Ela oferece subvenções a novos _think tanks_e cursos sobre gestão política e relações públicas, patrocina eventos de _networking_no mundo todo e, nos últimos anos, tem estimulado libertários a tentar influenciar a opinião pública por meio das redes sociais e vídeos online.
Uma competição anual incentiva os membros da Atlas a produzir vídeos que viralizem no YouTube promovendo o _laissez-faire_e ridicularizando os defensores do Estado de bem-estar social. James O’Keefe, provocador famoso por alfinetar o Partido Democrata americano com vídeos gravados em segredo, foi convidado pela Atlas para ensinar seus métodos. No estado americano do Wisconsin, um grupo de produtores que publicava vídeos na internet para denegrir protestos de professores contra o ataque do governador Scott Walker aos sindicatos do setor público também compartilharam sua experiência nos cursos da Atlas.
Manifestantes queimam um boneco do presidente Hugo Chávez na Plaza Altamira, em protesto contra o governo.
Foto: Lonely Planet Images/Getty Images
Em uma de suas últimas realizações, a Atlas influenciou uma das crises políticas e humanitárias mais graves da América Latina: a venezuelana. Documentos obtidos graças ao “Freedom of Information Act” (Lei da Livre Informação, em tradução livre) por simpatizantes do governo venezuelano – bem como certos telegramas do Departamento de Estado dos EUA vazados por Chelsea Manning – revelam uma complexo tentativa do governo americano de usar os _think tanks_da Atlas em uma campanha para desestabilizar o governo de Hugo Chávez. Em 1998, a CEDICE Libertad – principal organização afiliada à Atlas em Caracas, capital da Venezuela – já recebia apoio financeiro do Center for International Private Enterprise (Centro para a Empresa Privada Internacional – CIPE). Em uma carta de financiamento do NED, os recursos são descritos como uma ajuda para “a mudança de governo”. O diretor da CEDICE foi um dos signatários do controverso “Decreto Carmona” em apoio ao malsucedido golpe militar contra Chávez em 2002.
Um telegrama de 2006 descrevia a estratégia do embaixador americano, William Brownfield, de financiar organizações politicamente engajadas na Venezuela: “1) Fortalecer instituições democráticas; 2) penetrar na base política de Chávez; 3) dividir o chavismo; 4) proteger negócios vitais para os EUA, e 5) isolar Chávez internacionalmente.”
Na atual crise venezuelana, a CEDICE tem promovido a recente avalanche de protestos contra o presidente Nicolás Maduro, o acossado sucessor de Chávez. A CEDICE está intimamente ligada à figura da oposicionista María Corina Machado, uma das líderes das manifestações em massa contra o governo dos últimos meses. Machado já agradeceu publicamente à Atlas pelo seu trabalho. Em um vídeo enviado ao grupo em 2014, ela diz: “Obrigada à Atlas Network e a todos os que lutam pela liberdade.”
Em 2014, a líder opositora María Corina Machado agradeceu à Atlas pelo seu trabalho: “Obrigada à Atlas Network e a todos os que lutam pela liberdade.”No Latin America Liberty Forum, organizado pela Atlas Network em Buenos Aires, jovens líderes compartilham ideias sobre como derrotar o socialismo em todos os lugares, dos debates em _campi_universitários a mobilizações nacionais a favor de um impeachment.
Em uma das atividades do fórum, “empreendedores” políticos de Peru, República Dominicana e Honduras competem em um formato parecido com o programa Shark Tank, um _reality show_americano em que novas empresas tentam conquistar ricos e impiedosos investidores. Mas, em vez de buscar financiamento junto a um painel de capitalistas de risco, esses diretores de _think tanks_tentam vender suas ideias de marketing político para conquistar um prêmio de US$ 5 mil. Em outro encontro, debatem-se estratégias para atrair o apoio do setor industrial às reformas econômicas. Em outra sala, ativistas políticos discutem possíveis argumentos que os “amantes da liberdade” podem usar para combater o crescimento do populismo e “canalizar o sentimento de injustiça de muitos” para atingir os objetivos do livre mercado.
Um jovem líder da Cadal, um _think tank_de Buenos Aires, deu a ideia de classificar as províncias argentinas de acordo com o que chamou de “índice de liberdade econômica” – levando em conta a carga tributária e regulatória como critérios principais –, o que segundo ela geraria um estímulo para a pressão popular por reformas de livre mercado. Tal ideia é claramente baseada em estratégias similares aplicadas nos EUA, como o Índice de Liberdade Econômica da Heritage Foundation, que classifica os países de acordo com critérios como política tributária e barreiras regulatórias aos negócios.
Os _think tanks_são tradicionalmente vistos como institutos independentes que tentam desenvolver soluções não convencionais. Mas o modelo da Atlas se preocupa menos com a formulação de novas soluções e mais com o estabelecimento de organizações políticas disfarçadas de instituições acadêmicas, em um esforço para conquistar a adesão do público.
As ideias de livre mercado – redução de impostos sobre os mais ricos; enxugamento do setor público e privatizações; liberalização das regras de comércio e restrições aos sindicatos – sempre tiveram um problema de popularidade. Os defensores dessa corrente de pensamento perceberam que o eleitorado costuma ver essas ideias como uma maneira de favorecer as camadas mais ricas. E reposicionar o libertarianismo econômico como uma ideologia de interesse público exige complexas estratégias de persuasão em massa.
Mas o modelo da Atlas, que está se espalhando rapidamente pela América Latina, baseia-se em um método aperfeiçoado durante décadas de embates nos EUA e no Reino Unido, onde os libertários se esforçaram para conter o avanço do Estado de bem-estar social do pós-guerra.
Mapa das organizações da rede Atlas na América do Sul.
Fonte: The Intercept
Antony Fisher, empreendedor britânico e fundador da Atlas Network, é um pioneiro na venda do libertarianismo econômico à opinião pública. A estratégia era simples: nas palavras de um colega de Fisher, a missão era “encher o mundo de _think tanks_que defendam o livre mercado”.
A base das ideias de Fisher vêm de Friedrich Hayek, um dos pais da defesa do Estado mínimo. Em 1946, depois de ler um resumo do livro seminal de Hayek, O Caminho da Servidão, Fisher quis se encontrar com o economista austríaco em Londres. Segundo seu colega John Blundell, Fisher sugeriu que Hayek entrasse para a política. Mas Hayek se recusou, dizendo que uma abordagem de baixo para cima tinha mais chances de alterar a opinião pública e reformar a sociedade.
Enquanto isso, nos Estados Unidos, outro ideólogo do livre mercado, Leonard Read, chegava a conclusões parecidas depois de ter dirigido a Câmara de Comércio de Los Angeles, onde batera de frente com o sindicalismo. Para deter o crescimento do Estado de bem-estar social, seria necessária uma ação mais elaborada no sentido de influenciar o debate público sobre os destinos da sociedade, mas sem revelar a ligação de tal estratégia com os interesses do capital.
Fisher animou-se com uma visita à organização recém-fundada por Read, a Foundation for Economic Education (Fundação para a Educação Econômica – FEE), em Nova York, criada para patrocinar e promover as ideias liberais. Nesse encontro, o economista libertário F.A. Harper, que trabalhava na FEE à epoca, orientou Fisher sobre como abrir a sua própria organização sem fins lucrativos no Reino Unido.
Durante a viagem, Fisher e Harper foram à Cornell University para conhecer a última novidade da indústria animal: 15 mil galinhas armazenadas em uma única estrutura. Fisher decidiu levar o invento para o Reino Unido. Sua fábrica, a Buxted Chickens, logo prosperou e trouxe grande fortuna para Fisher. Uma parte dos lucros foi direcionada à realização de outro objetivo surgido durante a viagem a Nova York – em 1955, Fisher funda o Institute of Economic Affairs (Instituto de Assuntos Econômicos – IEA).
O IEA ajudou a popularizar os até então obscuros economistas ligados às ideias de Hayek. O instituto era um baluarte de oposição ao crescente Estado de bem-estar social britânico, colocando jornalistas em contato com acadêmicos defensores do livre mercado e disseminando críticas constantes sob a forma de artigos de opinião, entrevistas de rádio e conferências.
A maior parte do financiamento do IEA vinha de empresas privadas, como os gigantes do setor bancário e industrial Barclays e British Petroleum, que contribuíam anualmente. No livro Making Thatcher’s Britain(A Construção da Grã-Bretanha de Thatcher, em tradução livre), dos historiadores Ben Jackson e Robert Saunders, um magnata dos transportes afirma que, assim como as universidades forneciam munição para os sindicatos, o IEA era uma importante fonte de poder de fogo para os empresários.
Quando a desaceleração econômica e o aumento da inflação dos anos 1970 abalou os fundamentos da sociedade britânica, políticos conservadores começaram a se aproximar do IEA como fonte de uma visão alternativa. O instituto aproveitou a oportunidade e passou a oferecer plataformas para que os políticos pudessem levar os conceitos do livre mercado para a opinião pública. A Atlas Network afirma orgulhosamente que o IEA “estabeleceu as bases intelectuais do que viria a ser a revolução de Thatcher nos anos 1980”. A equipe do instituto escrevia discursos para Margaret Thatcher; fornecia material de campanha na forma de artigos sobre temas como sindicalismo e controle de preços; e rebatia as críticas à Dama de Ferro na mídia inglesa. Em uma carta a Fisher depois de vencer as eleições de 1979, Thatcher afirmou que o IEA havia criado, na opinião pública, “o ambiente propício para a nossa vitória”.
“Não há dúvidas de que tivemos um grande avanço na Grã-Bretanha. O IEA, fundado por Antony Fisher, fez toda a diferença”, disse Milton Friedman uma vez. “Ele possibilitou o governo de Margaret Thatcher – não a sua eleição como primeira-ministra, e sim as políticas postas em prática por ela. Da mesma forma, o desenvolvimento desse tipo de pensamento nos EUA possibilitou o a implementação das políticas de Ronald Reagan”, afirmou.
O IEA fechava um ciclo. Hayek havia criado um seleto grupo de economistas defensores do livre mercado chamado Sociedade Mont Pèlerin. Um de seus membros, Ed Feulner, ajudou o fundar o _think tank_conservador Heritage Foundation, em Washington, inspirando-se no trabalho de Fisher. Outro membro da Sociedade, Ed Crane, fundou o Cato Institute, o mais influente _think tank_libertário dos Estados Unidos.
_O filósofo e economista anglo-austríaco Friedrich Hayek com um grupo de alunos na London School of Economics, em 1948._Foto: Paul PoppePopperfoto/Getty Images
Em 1981, Fisher, que havia se mudado para San Francisco, começou a desenvolver a Atlas Economic Research Foundation por sugestão de Hayek. Fisher havia aproveitado o sucesso do IEA para conseguir doações de empresas para seu projeto de criação de uma rede regional de _think tanks_em Nova York, Canadá, Califórnia e Texas, entre outros. Mas o novo empreendimento de Fisher viria a ter uma dimensão global: uma organização sem fins lucrativos dedicada a levar sua missão adiante por meio da criação de postos avançados do libertarianismo em todos os países do mundo. “Quanto mais institutos existirem no mundo, mais oportunidade teremos para resolver problemas que precisam de uma solução urgente”, declarou.
Fisher começou a levantar fundos junto a empresas com a ajuda de cartas de recomendação de Hayek, Thatcher e Friedman, instando os potenciais doadores a ajudarem a reproduzir o sucesso do IEA através da Atlas. Hayek escreveu que o modelo do IEA “deveria ser usado para criar institutos similares em todo o mundo”. E acrescentou: “Se conseguíssemos financiar essa iniciativa conjunta, seria um dinheiro muito bem gasto.”
A proposta foi enviada para uma lista de executivos importantes, e o dinheiro logo começou a fluir dos cofres das empresas e dos grandes financiadores do Partido Republicano, como Richard Mellon Scaife. Empresas como a Pfizer, Procter & Gamble e Shell ajudaram a financiar a Atlas. Mas a contribuição delas teria que ser secreta para que o projeto pudesse funcionar, acreditava Fisher. “Para influenciar a opinião pública, é necessário evitar qualquer indício de interesses corporativos ou tentativa de doutrinação”, escreveu Fisher na descrição do projeto, acrescentando que o sucesso do IEA estava baseado na percepção pública do caráter acadêmico e imparcial do instituto.
A Atlas cresceu rapidamente. Em 1985, a rede contava com 27 instituições em 17 países, inclusive organizações sem fins lucrativos na Itália, México, Austrália e Peru.
E o _timing_não podia ser melhor: a expansão internacional da Atlas coincidiu com a política externa agressiva de Ronald Reagan contra governos de esquerda mundo afora.
Embora a Atlas declarasse publicamente que não recebia recursos públicos (Fisher caracterizava as ajudas internacionais como uma forma de “suborno” que distorcia as forças do mercado), há registros da tentativa silenciosa da rede de canalizar dinheiro público para sua lista cada vez maior de parceiros internacionais.
Em 1982, em uma carta da Agência de Comunicação Internacional dos EUA – um pequeno órgão federal destinado a promover os interesses americanos no exterior –, um funcionário do Escritório de Programas do Setor Privado escreveu a Fisher em resposta a um pedido de financiamento federal. O funcionário diz não poder dar dinheiro “diretamente a organizações estrangeiras”, mas que seria possível copatrocinar “conferências ou intercâmbios com organizações” de grupos como a Atlas, e sugere que Fisher envie um projeto. A carta, enviada um ano depois da fundação da Atlas, foi o primeiro indício de que a rede viria a ser uma parceira secreta da política externa norte-americana.
Memorandos e outros documentos de Fisher mostram que, em 1986, a Atlas já havia ajudado a organizar encontros com executivos para tentar direcionar fundos americanos para sua rede de think tanks. Em uma ocasião, um funcionário da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), o principal braço de financiamento internacional do governo dos EUA, recomendou que o diretor da filial da Coca-Cola no Panamá colaborasse com a Atlas para a criação de um _think tank_nos moldes do IEA no país. A Atlas também recebeu fundos da Fundação Nacional para a Democracia (NED), uma organização sem fins lucrativos fundada em 1983 e patrocinada em grande parte pelo Departamento de Estado e a USAID cujo objetivo é fomentar a criação de instituições favoráveis aos EUA nos países em desenvolvimento.
Alejandro Chafuen, da Atlas Economic Research Foundation, atrás à direita, cumprimenta Rafael Alonzo, do Centro de Divulgação do Conhecimento Econômico para a Liberdade (CEDICE Libertad), à esquerda, enquanto o escritor peruano Mario Vargas Llosa aplaude a abertura do Fórum Liberdade e Democracia, em Caracas, no dia 28 de maio de 2009.
Foto: Ariana Cubillos/AP
_ _Financiada generosamente por empresas e pelo governo americano, a Atlas deu outro golpe de sorte em 1985 com a chegada de Alejandro Chafuen. Linda Whetstone, filha de Fisher, conta um episódio ocorrido naquele ano, quando um jovem Chafuen, que ainda vivia em Oakland, teria aparecido no escritório da Atlas em San Francisco “disposto a trabalhar de graça”. Nascido em Buenos Aires, Chafuen vinha do que ele chamava “uma família anti-Peronista”. Embora tenha crescido em uma época de grande agitação na Argentina, Chafuen vivia uma vida relativamente privilegiada, tendo passado a adolescência jogando tênis e sonhando em se tornar atleta profissional.
Ele atribui suas escolhas ideológicas a seu apetite por textos libertários, de Ayn Rand a livretos publicados pela FEE, a organização de Leonard Read que havia inspirado Antony Fisher. Depois de estudar no Grove City College, uma escola de artes profundamente conservadora e cristã no estado americano da Pensilvânia, onde foi presidente do clube de estudantes libertários, Chafuen voltou ao país de nascença. Os militares haviam tomado o poder, alegando estar reagindo a uma suposta ameaça comunista. Milhares de estudantes e ativistas seriam torturados e mortos durante a repressão à oposição de esquerda no período que se seguiu ao golpe de Estado.
Chafuen recorda essa época de maneira mais positiva do que negativa. Ele viria a escrever que os militares haviam sido obrigados a agir para evitar que os comunistas “tomassem o poder no país”. Durante sua carreira como professor, Chafuen diz ter conhecido “totalitários de todo tipo” no mundo acadêmico. Segundo ele, depois do golpe militar seus professores “abrandaram-se”, apesar das diferenças ideológicas entre eles.
Em outros países latino-americanos, o libertarianismo também encontrara uma audiência receptiva nos governos militares. No Chile, depois da derrubada do governo democraticamente eleito de Salvador Allende, os economistas da Sociedade Mont Pèlerin acorreram ao país para preparar profundas reformas liberais, como a privatização de indústrias e da Previdência. Em toda a região, sob a proteção de líderes militares levados ao poder pela força, as políticas econômicas libertárias começaram a se enraizar.
Já o zelo ideológico de Chafuen começou a se manifestar em 1979, quando ele publicou um ensaio para a FEE intitulado “War Without End” (Guerra Sem Fim). Nele, Chafuen descreve horrores do terrorismo de esquerda “como a família Manson, ou, de forma organizada, os guerrilheiros do Oriente Médio, África e América do Sul”. Haveria uma necessidade, segundo ele, de uma reação das “forças da liberdade individual e da propriedade privada”.
Seu entusiasmo atraiu a atenção de muita gente. Em 1980, aos 26 anos, Chafuen foi convidado a se tornar o membro mais jovem da Sociedade Mont Pèlerin. Ele foi até Stanford, tendo a oportunidade de conhecer Read, Hayek e outros expoentes libertários. Cinco anos depois, Chafuen havia se casado com uma americana e estava morando em Oakland. E começou a fazer contato com membros da Mont Pèlerin na área da Baía de San Francisco – como Fisher.
Em toda a região, sob a proteção de líderes militares levados ao poder pela força, as políticas econômicas libertárias começaram a se enraizar.De acordo com as atas das reuniões do conselho da Atlas, Fisher disse aos colegas que havia feito um pagamento _ex gratia_no valor de US$ 500 para Chafuen no Natal de 1985, declarando que gostaria de contratar o economista para trabalhar em tempo integral no desenvolvimento dos _think tanks_da rede na América Latina. No ano seguinte, Chafuen organizou a primeira cúpula de _think tanks_latino-americanos, na Jamaica.
Chafuen compreendera o modelo da Atlas e trabalhava incansavelmente para expandir a rede, ajudando a criar _think tanks_na África e na Europa, embora seu foco continuasse sendo a América Latina. Em uma palestra sobre como atrair financiadores, Chafuen afirmou que os doadores não podiam financiar publicamente pesquisas, sob o risco de perda de credibilidade. “A Pfizer não patrocinaria uma pesquisa sobre questões de saúde, e a Exxon não financiaria uma enquete sobre questões ambientais”, observou. Mas os _think tanks_libertários – como os da Atlas Network –não só poderiam apresentar as mesmas pesquisas sob um manto de credibilidade como também poderiam atrair uma cobertura maior da mídia.
“Os jornalistas gostam muito de tudo o que é novo e fácil de noticiar”, disse Chafuen. Segundo ele, a imprensa não tem interesse em citar o pensamento dos filósofos libertários, mas pesquisas produzidas por um _think tank_são mais facilmente reproduzidas. “E os financiadores veem isso”, acrescenta.
Em 1991, três anos depois da morte de Fisher, Chafuen assumiu a direção da Atlas – e pôs-se a falar sobre o trabalho da Atlas para potenciais doadores. E logo começou a conquistar novos financiadores. A Philip Morris deu repetidas contribuições à Atlas, inclusive uma doação de US$ 50 mil em 1994, revelada anos depois. Documentos mostram que a gigante do tabaco considerava a Atlas uma aliada em disputas jurídicas internacionais.
Mas alguns jornalistas chilenos descobriram que _think tanks_patrocinados pela Atlas haviam feito pressão por trás dos panos contra a legislação antitabagista sem revelar que estavam sendo financiadas por empresas de tabaco – uma estratégia praticada por _think tanks_em todo o mundo.
Grandes corporações como ExxonMobil e MasterCard já financiaram a Atlas. Mas o grupo também atrai grandes figuras do libertarianismo, como as fundações do investidor John Templeton e dos irmãos bilionários Charles e David Koch, que cobriam a Atlas e seus parceiros de generosas e frequentes doações. A habilidade de Chafuen para levantar fundos resultou em um aumento do número de prósperas fundações conservadoras. Ele é membro-fundador do Donors Trust, um discreto fundo orientado ao financiamento de organizações sem fins lucrativos que já transferiu mais de US$ 400 milhões a entidades libertárias, incluindo membros da Atlas Network. Chafuen também é membro do conselho diretor da Chase Foundation of Virginia, outra entidade financiadora da Atlas, fundada por um membro da Sociedade Mont Pèlerin.
Outra grande fonte de dinheiro é o governo americano. A princípio, a Fundação Nacional para a Democracia encontrou dificuldades para criar entidades favoráveis aos interesses americanos no exterior. Gerardo Bongiovanni, presidente da Fundación Libertad, um _think tank_da Atlas em Rosario, na Argentina, afirmou durante uma palestra de Chafuen que a injeção de capital do Center for International Private Enterprise – parceiro do NED no ramo de subvenções – fora de apenas US$ 1 milhão entre 1985 e 1987. Os _think tanks_que receberam esse capital inicial logo fecharam as portas, alegando falta de treinamento em gestão, segundo Bongiovanni.
No entanto, a Atlas acabou conseguindo canalizar os fundos que vinham do NED e do CIPE, transformando o dinheiro do contribuinte americano em uma importante fonte de financiamento para uma rede cada vez maior. Os recursos ajudavam a manter _think tanks_na Europa do Leste, após a queda da União Soviética, e, mais tarde, para promover os interesses dos EUA no Oriente Médio. Entre os beneficiados com dinheiro do CIPE está a CEDICE Libertad, a entidade a que líder opositora venezuelana María Corina Machado fez questão de agradecer.
O assessor da Casa Branca Sebastian Gorka participa de uma entrevista do lado de fora da Ala Oeste da Casa Branca em 9 de junho de 2017 – Washington, EUA.
Foto: Chip Somodevilla/Getty Images
_ _No Brick Hotel, em Buenos Aires, Chafuen reflete sobre as três últimas décadas. “Fisher ficaria satisfeito; ele não acreditaria em quanto nossa rede cresceu”, afirma, observando que talvez o fundador da Atlas ficasse surpreso com o atual grau de envolvimento político do grupo.
Chafuen se animou com a eleição de Donald Trump para a presidência dos EUA. Ele é só elogios para a equipe do presidente. O que não é nenhuma surpresa, pois o governo Trump está cheio de amigos e membros de grupos ligados à Atlas. Sebastian Gorka, o islamofóbico assessor de contraterrorismo de Trump, dirigiu um _think tank_patrocinado pela Atlas na Hungria. O vice-presidente Mike Pence compareceu a um encontro da Atlas e teceu elogios ao grupo. A secretária de Educação Betsy DeVos trabalhou com Chafuen no Acton Institute, um _think tank_de Michigan que usa argumentos religiosos a favor das políticas libertárias – e que agora tem uma entidade subsidiária no Brasil, o Centro Interdisciplinar de Ética e Economia Personalista. Mas talvez a figura mais admirada por Chafuen no governo dos EUA seja Judy Shelton, uma economista e velha companheira da Atlas Network. Depois da vitória de Trump, Shelton foi nomeada presidente da NED. Ela havia sido assessora de Trump durante a campanha e o período de transição. Chafuen fica radiante ao falar sobre o assunto: “E agora tem gente da Atlas na presidência da Fundação Nacional para a Democracia (NED)”, comemora.
Antes de encerrar a entrevista, Chafuen sugere que ainda vem mais por aí: mais think tanks, mais tentativas de derrubar governos de esquerda, e mais pessoas ligadas à Atlas nos cargos mais altos de governos ao redor do mundo. “É um trabalho contínuo”, diz.
Mais tarde, Chafuen compareceu ao jantar de gala do Latin America Liberty Forum. Ao lado de um painel de especialistas da Atlas, ele discutiu a necessidade de reforçar os movimentos de oposição libertária no Equador e na Venezuela.
Danielle Mackey contribuiu na pesquisa para essa matéria. Tradução: Bernardo Tonasse
The post Esfera de influência: como os libertários americanos estão reinventando a política latino-americana appeared first on The Intercept.
submitted by feedreddit to arableaks [link] [comments]


2016.09.24 18:37 Paralelo30 O maluco solitário e o Ministério Público (Sobre Deltan Dallagnol) - Maria Cristina Fernandes (Valor, 23/09)

Derek Sivers é um músico californiano de 47 anos radicado em Cingapura. Fez fortuna com uma empresa de transação on-line de CDs que depois se tornaria uma das maiores vendedoras de música independente do mundo. Em 1º de abril de 2010, a plataforma digital de palestras TED colocou no ar um vídeo de três minutos intitulado "Como Iniciar um Movimento". Nele, Sivers mostra um rapaz de dorso nu dançando freneticamente numa montanha. Uma pessoa se levanta e passa a imitá-lo. Logo todos os jovens que o assistiam se levantam e passam a fazer o mesmo. "É o seguidor que transforma o solitário em um líder. É preciso ter coragem e não ter medo de ser ridicularizado", diz Sivers.
O vídeo teve 5,6 milhões de visualizações. Uma delas partiu de Deltan Martinazzo Dallagnol, que resolveu incorporá-lo às palestras que promove em defesa das dez medidas anticorrupção. Em fevereiro deste ano, num encontro com lideranças reunidas pela Primeira Igreja Batista de Curitiba, o procurador do Ministério Público Federal exibiu o vídeo. Ao final, dirigiu-se à sua plateia com a recomendação: "Quando encontrar um maluco solitário com uma boa causa tenha a coragem de segui-lo".
O procurador de 36 anos foi, na semana passada, a estrela da denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O terno azul-escuro, os óculos de aros pretos, a dicção que não deixa escapar uma única sílaba e o uso preciso do subjuntivo não sugerem disfunção psíquica.
A presença de todos os 12 procuradores que, sob sua coordenação, compõem a força-tarefa da Lava-Jato e a anuência do juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro, também não autorizam a interpretação de que esteja sozinho. Durante a apresentação da denúncia, no entanto, o procurador abusou dos recursos que lançou mão para criar o movimento das dez medidas anticorrupção.
A apresentação de 1h04 foi pautada pela mesma oratória usada por Dallagnol nas mais de 150 palestras que já fez país afora desde o lançamento da campanha pela subscrição e aprovação das medidas que empoderam o Ministério Público no combate à corrupção. A retórica da persuasão do procurador parte da repetição de construções de fácil compreensão. A mais recorrente, na apresentação da denúncia foi a de que o país estava diante de uma "propinocracia, governo gerido pela propina" que, segundo o procurador, tem uma dimensão "gigantesca, maior do que muito grande".
Seu uso como arma de retórica fica evidente na comparação entre a fala e a denúncia impressa. A construção aparece 12 vezes na apresentação do procurador, mas não está registrada na acusação levada a Moro.
A retórica de Dallagnol ainda lança mão de figuras de linguagem para nominar o ex-presidente que não foram incorporadas ao texto impresso. O procurador referiu-se a Lula dez vezes como comandante de esquema criminoso, sempre acompanhado dos adjetivos "máximo", "real", "supremo". A ocorrência do termo "comandante" no documento, além de reduzida à metade, nunca é adjetivada.
Dallagnol ainda chama Lula de "maestro" e "general". Nenhuma das denominações aparece na denúncia formal. Nela, o ex-presidente surge com mais frequência como "chefe do Poder Executivo" ou "ocupante do cargo público mais elevado".
A descrição da organização criminosa no documento, que ocupa mais da metade de suas 149 páginas, é tão farta quanto na apresentação. A acusação não está no escopo das atribuições da força-tarefa, mas, sim, da Procuradoria-Geral da República, em Brasília. Sob a alçada de Curitiba estão o crime de corrupção e lavagem de dinheiro. Procuradores em Brasília avaliam que os 13 procuradores da força-tarefa poderiam ter cumprido melhor sua tarefa se tivessem se limitado aos crimes atinentes. A inclusão do crime organizado no documento e, principalmente, na fala do procurador, no entanto, compõe a narrativa do movimento do qual o procurador natural da Lava-Jato é o principal porta-voz: o projeto, em tramitação no Congresso, das dez medidas anticorrupção.
O foco na organização criminosa é sustentado pelas construções da persuasiva retórica do procurador. Dallagnol sustentou em sua fala que o ex-presidente era comandante de uma organização destinada a prover "governabilidade corrompida, perpetuação criminosa no poder e enriquecimento ilícito". Os três objetivos com os quais Lula teria assumido a Presidência da República foram repetidos nove vezes pelo procurador.
As manifestações dos integrantes do Ministério Público não estão submetidas ao mesmo cerceamento imposto a juízes, cumprido com habilidade por Sérgio Moro, que se vale dos autos e dos offs, mas não concede entrevistas. Sem o mesmo freio, o procurador não apenas tem farta presença no noticiário como é ativo usuário das redes sociais.
Nascido em Pato Branco, skatista e surfista na juventude, Dallagnol é filho de um promotor de Justiça. Entrou no Ministério Público aos 22 anos. No Twitter, apresenta-se como "seguidor de Jesus, marido e pai apaixonado, procurador da República por vocação (hoje coordenando o MPF na #LavaJato em Curitiba) e mestre em direito por Harvard".
Nos últimos dois meses, Luís Roberto Barroso (STF) e Laurita Vaz (STJ) são os únicos ministros de tribunais superiores citados nos tuítes do procurador. Barroso, pela defesa do MP quando a instituição foi atacada pelo colega de tribunal, Gilmar Mendes, e Laurita, pela frase: "A corrupção tira comida dos pratos das famílias e crianças dos bancos das escolas". Em suas postagens no Facebook, inclui mais um ministro. Quando Luiz Fachin foi indicado para o Supremo, Dallagnol compartilhou um perfil simpático ao ex-professor da Universidade Federal do Paraná, onde graduou-se.
A mulher do procurador, a farmacêutica Fernanda Dallagnol, usa sua página para compartilhar entrevistas, artigos do marido e vídeo da musa da Lava-Jato, a jornalista Joice Hasselman, além de curtir postagens do marido sobre cuidados com crianças. O casal tem dois filhos pequenos. Em entrevistas e palestras, Dallagnol não se furta a comentar sobre a privação de convivência maior com as crianças como preço a pagar pela missão na Lava-Jato.
Os tão criticados slides em powerpoint da denúncia contra Lula são muito pouco criativos quando comparados às ilustrações das palestras do procurador. Naquela dirigida a lideranças da Igreja Batista em Curitiba, depois de mostrar foto em que aparece adolescente de cabelos encaracolados "vocacionado na busca da justiça", Dallagnol exibe slide em que um par de sapatinhos de bebê aparece sobre a barriga de uma grávida. Dizia assim que a Lava-Jato havia chegado em sua vida junto com o primeiro filho.
Com um raro domínio de cena, o procurador busca empatia com humor. Diz, por exemplo, que a Lava-Jato tem tantas fases quanto o "Candy Crush Saga", sucesso do mercado de jogos eletrônicos. Em entrevista a Jô Soares chegou a relatar o dia em que pensou ter mandado mensagem de WhatsApp para seu médico, Paulo Roberto Costa Claro, descrevendo sintomas de uma infecção intestinal. Só se deu conta do engano ao receber resposta educada de seu investigado, o homônimo ex-diretor da Petrobras, que lamentava não ter formação em medicina para ajudá-lo. "Ainda bem que não mandei foto", acrescentou, arrancando risos.
Tem abordagens específicas para cada palestra, mas sempre lança mão de pelo menos três máximas - "Precisamos deixar de ser vítimas do passado para sermos senhores do nosso destino", "a saída para o Brasil não é aeroporto", "a corrupção não é um problema do partido A ou do partido B" - e arruma um jeito de encaixar uma citação de Martin Luther King. Tem uma coleção de frases do líder negro americano, sempre lembrado como pastor batista, que remetem à realização de sonhos por quem os persegue.
Depois que a plateia, com humor e emoção, está em suas mãos, Dallagnol passa à fase mais substantiva de suas intervenções. O coordenador da Lava-Jato tem uma interpretação culturalista da história. Acha que foi a colonização portuguesa quem legou a corrupção à terra natal. "Quem veio de Portugal para o Brasil foram degredados, criminosos. Quem foi para os Estados Unidos foram pessoas religiosas, cristãs, que buscavam realizar seus sonhos, era um outro perfil de colono".
O espírito cristão dos colonizadores americanos não os impediu de dizimar a população nativa, colecionar genocídios em sua política externa e conviver com o pesadelo de uma Casa Branca ocupada por Donald Trump. Mas o ex-estudante de Harvard só trouxe admiração pelas instituições americanas. O mesmo fascínio alimenta em muitos de seus compatriotas a ilusão de que o Brasil seria uma grande Amsterdã se os holandeses não tivessem sido expulsos. Não cogitam o Brasil como uma versão ampliada da África do Sul.
O coordenador da Lava-Jato, em sua pregação anticorrupção, trata de tranquilizar suas plateias de que a saída não passa por engajamento partidário, mas pela cidadania a ser exercida com a adesão às dez medidas. Cita investimentos em saúde e educação que poderiam ser feitos sem o dreno da corrupção e mostra slide de uma família emagrecida sentada à mesa vazia. A imagem se assemelha àquelas que o PT, sigla a que sempre se refere por extenso, exibiu na propaganda eleitoral em 2014.
Num esforço de quem parece buscar a linguagem de seus interlocutores, Dallagnol ilustra a janela histórica de mudança que se abre no país. "Quando você vai a Miami ou ao Paraguai pensa: não gastaria isso que estou gastando, mas é uma questão de oportunidade. Pois hoje vivemos esta oportunidade. Podemos contar com você?". Pede que levante as mãos quem o apoia. Nem precisou dançar freneticamente. Saca o celular e faz a foto do mar de mãos que surgem à sua frente. Maria Cristina Fernandes, jornalista do Valor, escreve neste espaço quinzenalmente
submitted by Paralelo30 to BrasildoB [link] [comments]


2016.08.02 18:21 o_humanista Banco verde

por Paulo Nogueira Batista Jr
Realizou-se aqui em Xangai o 1º Encontro Anual do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD). O nosso banco está completando apenas um ano, mas tem resultados significativos a apresentar. As principais políticas do NBD foram aprovadas pela diretoria — as políticas de empréstimo, as de tesouraria e administração de riscos, as salvaguardas ambientais e sociais, as políticas de recursos humanos e recrutamento, entre outras.
As primeiras parcelas do capital do NBD já foram pagas pelos países fundadores — Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Rússia e China resolveram, inclusive, antecipar o pagamento da segunda parcela do capital relativamente ao que está estabelecido no Convênio Constitutivo, uma demonstração adicional de apoio ao banco.
Vamos começar agora um processo gradual de ampliação do número de países membros, buscando transformar o NBD aos poucos em um banco global, que inclua nações de todas as regiões do mundo — países desenvolvidos, países de renda média e também países mais pobres.
Avançou também a discussão com o Conselho de Governadores sobre a estratégia geral do banco. Definiu-se que, nos próximos cinco anos, o NBD buscará focar sua atuação na área de infraestrutura sustentável — entendida como infraestrutura que incorpora critérios ambientais e sociais. Isso significa apoiar projetos em áreas como energia renovável (solar, eólica, hidrelétrica), administração sustentável da água, tratamento de esgotos, transporte limpo e eficiência energética.
O NBD apoiará também a infraestrutura tradicional, mas procurará trabalhar preponderantemente com infraestrutura sustentável. Os cinco primeiros projetos foram todos em energia renovável — os quatro primeiros aprovados em abril, assim como o projeto aprovado pela diretoria que se destina a financiar duas pequenas hidrelétricas e uma pequena represa no noroeste da Rússia.
O NBD também será verde pelo lado do funding. Pretendemos explorar ativamente o mercado de bônus verdes, isto é, bônus destinados exclusivamente a gerar recursos para projetos que preservam ou recuperam o meio ambiente. O nosso primeiro bônus, emitido segunda-feira aqui na China, é um bônus verde de cinco anos, denominado em yuan, no valor de 3 bilhões, o equivalente a cerca de US$ 450 milhões. O bônus foi oversubscribed (subscrito em excesso) três vezes, e o cupom ficou em 3,07%, apenas ligeiramente maior do que a taxa de juro paga pelo Banco de Desenvolvimento da China.
O mercado de bônus verdes está em rápida expansão desde 2013. Ao focar suas atividades na área de infraestrutura sustentável, o NBD estará favorecendo o seu acesso a esse mercado dinâmico, assim como a fundos relacionados a meio ambiente.
O NBD, como indica o seu nome, é uma instituição que pretende ser nova — e não apenas mais um banco multilateral de desenvolvimento. A sustentabilidade está em nosso DNA. Somos um dos poucos bancos multilaterais de desenvolvimento, talvez o único, que têm a sustentabilidade como objetivo central inscrito no próprio Convênio Constitutivo da instituição. Isso nos liga com o futuro com as novas gerações.
Estamos apenas começando, mas a nossa pretensão é mostrar que um banco multilateral constituído exclusivamente por países em desenvolvimento, sem a participação de países desenvolvidos na fase inicial, poderá contribuir de forma inovadora para um processo de desenvolvimento econômico com inclusão social e preservação do meio ambiente.
submitted by o_humanista to BrasildoB [link] [comments]


2016.06.29 16:21 Jvkas Estatais e o liberalismo [TEXTO AMADOR]

Que o Brasil está passando por uma bruta crise orçamentária, com um déficit preciso para 2016 de 170 bilhões de reais todo mundo já sabe, o assunto do momento é que tem que haver uma diminuição do estado, isso de fato é verdade, o Estado brasileiro é grande, mas precisamos entender qual e realmente o tamanho dele e comparar a alguns países.
Pelo Business Dictonary, uma state-owned enterprise (SOE), é uma empresa toda ou parcialmente do governo administrada pelo mesmo, considera ainda a Pemex a companhia de óleo do México como a maior estatal da América Latina. Não podemos confundir empresas onde o governo tem participação acionará como uma empresa estatal para uma empresa ser considerada estatal ela tem que ser administrada pelo governo, a empresa estatal tem que seguir normalmente todas as regras já imposta a outras empresas, e podem ser responsabilizados pelos seus atos (isso na teoria pois na prática não funciona bem assim), ela não precisa gerar lucros obrigatoriamente ficando a cargo do governo socorrê-la financeiramente para mante-la funcionando.
Hoje o Brasil tem cerca de 149 estatais, somos o segundo colocado no ranking de países com mais estatais, a China é a primeira colocada, comparando o tamanho de nossas estatais com as chinesas vemos que mesmo tendo 149 e sendo o segundo país com mais estatais estamos longe de ter estatais com tamanho e poderio econômico das Chinesas.
Na lista atual dos países com mais estatais temos em ordem: China, Brasil, Rússia, Malasia, Índia, Indonésia, Taiwan, Tailândia, Polônia e África do Sul.
Dessa lista o país mais bem colocado na questão de liberalismo econômico pela fundação Heritage, é Taiwan em décimo quarto lugar logo através vem a Malásia, para comparar esses dados de liberalismo vamos pegar países considerados mais liberais e com dados sobre estatais disponível e ver sua quantidade de estatais para ver se há algo relacionado entre a quantidade de estatais e o liberalismo
Com base nos dados disponíveis sobre estatais os países mais livres com dados disponíveis são Singapura, Suíça e Nova Zelândia Já dos menos consideramos Cuba, Venezuela, Argentina.
Média de estatais dos países livres: Temos a Nova Zelândia com 15 estatais, seguida pela Singapura com 14, que logo atrás vem a Suíça com 9.
Uma média de 12.66 estatais por país.
Já na parte dos menos livres temos Venezuela com 16 estatais, Argentina com 8 estatais e Cuba com apenas 2,dando uma média de 8,66 estatais por país
Sim por incrível que pareça países menos livres pelo menos nos 3 selecionados tiveram menos estatais, mas a questão de estatal não é o motivo que leva um país a ser livre ou não, há n fatores para ser considerado, mas é importante vermos que a estatal não proíbe países de serem economicamente livres e prósperos, como alguns acabam erroneamente citando como fator de um atraso no desenvolvimento econômico
Vamos analisar agora a média do PIB Per capita dos dois grupos Dos livres temos um PIB per capita médio do país de 60,517.90 dólares americano Enquanto dos países mais fechados temos um nível de 11,727.05 dólares americano médio.
Vemos já aí uma brutal diferença, não dá para dizer que apenas o liberalismo econômico proporciona uma diferença tão gritante igual essa, mas é um possível fator a ser levado em consideração, mas não podemos esquecer que Venezuela e Argentina tiverem um grande crescimento (no PIB per capita) desde os anos 2000, Cuba também houve mas em menor escala, os países livres também cresceram. Claro que é meio irrisório a gente comparar países considerados fechados e com avanços econômicos demorados com países desenvolvidos, podem ser que com outros países as questões mudem, mas acabou que foram esses os países escolhidos para a comparação.
É interessante notar que a área de atuação das estatais geralmente é no setor de energia, financeiro e de telecomunicações.
Um artigo publicado pela Nasdaq em 2014,compara por exemplo o rendimento de dividendo de algumas empresas State Owned pelo mundo com empresas privadas, como resultado eles chegaram a um dividend yield de 3.1% nas estatais e de 2.7% nas privadas. Alguns analistas chegam a acrescentar que os governos fazem uso dessas empresas para aumentar o Dividend yields em tempos de baixo crescimento para aumentar o lucro e incentivar a economia.
Já para um '' median price-to-earnings ratio'' vemos estatais tendo uma média de 16.4x contra 13.2x das empresas privadas.
Já na questão de performance a história muda em média em cinco anos a performance de empresas privadas foram de 47.6% contra 20.1% das empresas públicas
O artigo ainda cita o caso da Petrobras que chegou a cair 11% um dia após a reeleição da Presidente afastada Dilma Rousseff, pois o mercado pedia uma mudança pois considerava o outro candidato (Aecio Neves), mais capacitado para realizar tal mudanças.
Um texto excelente publicado na GLOBAL CHANGE, mostra que muitas das estatais sobrevivem graças apenas ao subsídios de governo, o que distorce o mercado, e que podem desfrutar de taxas mais baixas que os concorrentes privados, que dependem muitas vezes de empréstimos bancários com taxas '' especiais '', que nos anos de 1990 com a queda comunista países demonstraram interesse em se tornar mais capitalista e privatizaram gerando enormes riquezas para uns poucos privilegiados.
Nas áreas onde aconteceu vários processos de privatização houve um crescimento econômico, seguido de um desemprego e de grande dificuldades gerada pela perda de emprego de pessoas ligadas às state owned.
Acaba por listar ainda processo para uma mudança gradual
  1. Desregulamentar para permitir que os concorrentes privados se desenvolvam ate mesmo com capital externo se for necessário.
  2. Limitar as empresas estatais a sua área de atuação, cita como exemplo empresa fornecedora de serviços públicos pegando empréstimo para investir em imóveis.
  3. Recapitalizar os bancos de modo a fazer eles a sobreviverem em caso de perdas.
  4. Retirar os subsídios do governo por alguns anos.
  5. Vender empresas estatais não críticas.
Como vimos as estatais não são o real problema de um país, há sim muitos problemas mas elas não podem serem responsabilizadas por algo conjuntural, como vimos algumas estatais podem ser úteis até em países livres, e podem ajudar, o que falta é uma desregulamentação do mercado, uma abertura econômica e uma melhor escolha de governança para as tais.
O Brasil precisa inevitavelmente acabar com algumas estatais pois são demasiada e deixar apenas as mais importantes, mas o mais importante é o ato de abrir o mercado para capital privado, o incentivo ao empreendedorismo e a escolha de melhores governança.
ATENÇÃO : Não sou nenhum especialista econômico (ainda) me interesso na área e escrevo em meus tempos livres pelo smartphone , também não sou nenhum escritor super renomado, posso cometer erros de expressão de português, erros de escrita etc. Peço que desconsiderem, posso também falar muita bobeira, não leve meu texto como um artigo para ser apresentado a representante econômico dos países em encontros mundiais.
Obrigado, desculpe o incomodo.
submitted by Jvkas to brasil [link] [comments]


2016.05.21 15:59 um--no O Brasil de Lula: "uma diplomacia imaginativa" -- outubro de 2010

Eu traduzi a entrevista de um pesquisador dada ao jornal francês Le Monde em 2010. Ela mostra os avanços e o caráter da política externa brasileira de Lula. Uma vez que a entrevista aconteceu na época em que Serra (atual ministro das relações exteriores, mencionado na matéria) disputava com Dilma para a presidência, essa entrevista é bastante atual.
Um oferecimento /BrasildoB.

O Brasil de Lula: "uma diplomacia imaginativa"

Le Monde 04.10.2010 à 06h42
Após sete anos de presidência de "Lula", o Brasil não tem muito em comum com o que ele era ao fim de 2002, no crepúsculo da era Cardoso. Enquanto ocorreu no 3 de outubro o primeiro turno da eleição presidencial, que viu concorrerem Dilma Rousseff e José Serra, Jean-Jacques Kourliandsky, pesquisador do Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas, explica em que a política diplomática de "Lula" de distingue da de seu predecessor e como o pais passou do estado de Estado pivô ao de nação emergente.
Em sete anos de presidência, Luiz Inácio "Lula" da Silva fez do Brasil um pais reconhecido e respeitado no cenario internacional. Em que sua política estrangeira se distingue daquela de seu predecessor, Fernando Henrique Cardoso?
Com Lula, o Brasil entrou não somente em uma fase de saneamento, mas também de crescimento, que deu ao país meios de expressão internacionais, dos quais ele não dispunha até então. Sob a era Cardoso [1995-2003], o Brasil era regularmente agitado, seja por crises politicas, seja por crises financeiras. Após dez anos, ele conheceu um período de grande estabilidade simultaneamente política, institucional e econômica. Em um sentido, era lógico que isso se reflete ao nível da política exterior do país. A maior contribuição de "Lula" é ter compreendido que o país dispunha de margens de manobra inéditas e de as ter explorado ao máximo. Isso se traduziu em uma diplomacia bastante imaginativa, que concedeu ao Brasil, -- percebe-se isso hoje -- um lugar de país emergente cada vez mais integrado nos círculos de decisão internacionais.
Como essa "diplomacia imaginativa" se concretizou?
Desde sua ascenção ao poder, em 2003, Lula mostrou sua vontade de ver o Brasil desempenhar um papel novo na governância mundial. Nesse espírito, ele esboçou uma aproximação com a Índia e a África do sul. O objetivo de constituir um grupo de pressão capaz de modificar o processo de tomada de decisão no seio da OMC [Organização Mundial do Comércio]. Essa iniciativa, tomada na primavera de 2003, teve incidência direta sobre a reunião do mês de setembro seguine, ocorrida no México, em Cancun. É lá que se situa o ponto de partida do G22 [reunião dos ministros das finanças e dos governadores de banco central dos paises do G7 e outros quinze paises], que foi o prelúdio do nascimento do G20, em 1999. Cancun foi um ponto de viragem, pois, até então, apenas a triangulação entre a Europa, os Estados Unidos e o Japão prevalecia. Em seguida, o Brasil multiplicou as iniciativas transversais, ou seja, sul-sul, o que era totalmente inédito. Grupos de consulta perenes foram também criados, entre a América do sul e a Liga Árabe em 2005, mas também entre a América do Sul e a África negra. Isso, contudo, não impediu o país de participar de estruturas verticais norte-sul, como por exemplo o G4 com a Alemanha, a Índia e o Japão -- estrutura destinada a promover a candidatura desses quatro países como membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU -- ou o grupo de trabalho conjunto com os Estados Unidos sobre o etanol em 2007. Paralelamente, o Brasil também investiu nas cooperações de tipo sul-americano, das quais a mais conhecida é a Unasul [União das Nações Sul-americanas], fundado em maio de 2008 em Brasília. Essa organização desempenhou um papel durante as crises entre Bolívia em 2008 ou entre a Venezuela e a Colômbia no verão passado; muitas disputas nas quais nem a ONU nem a OEA [Organização dos Estados Americanos] intervieram. Através de todas essas alianças, o Brasil demonstrou seu engajamento em favor da multilateralidade.
Em 2002, precisamente, o Brasil era em geral considerado como um intermediário da potência americana na América do Sul. O que ele é hoje?
O presidente Cardoso cultivava afinidades ideológicas com os Estados Unidos, em particular o Partido Democrata, mas também com o primeiro ministro britânico Tony Blair. Hoje, o Brasil se situa em uma perspectiva diferente, seu objetivo sendo de promover in fine uma gestão coletiva dos negócios do mundo, em todos os níveis -- econômico, comercial, diplomático. Isso explica que o país seja capaz de concluir acordos tanto com a Índia e com a China de um lado, quanto com a Alemanha, a França ou os Estados Unidos de outro.
Em quais domínios a política externa brasileira desses sete últimos anos encontrou seus maiores sucessos? Houve igualmente falhas?
Não, não se pode propriamente falar de falhas, pois mesmo quando as iniciativas empreendidas pelo Brasil não se concretizaram -- eu penso notadamente no acordo selado com a Turquia sobre o dossiê nuclear iraniano em meados de maio --, o pais deu a prova de que ele fazia doravante parte do jogo internacional. Isso era impensável há apenas dez anos. No que concerne seus sucessos diplomáticos, podemos recordar aquele da OMC em 2003, que permitiu sua admissão no seio do G20, ao lado da Argentina e do México. É uma forma de reconhecimento. De fato, esses avanços não ocultam certas dificuldades, notadamente a incapacidade do Brasil de integrar o círculo fechado de membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU [China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia]. Contudo, seu papel no seio do sistema das Nações Unidas permanece preponderante. Desde 2004, de fato, ele dirige uma operação de paz no Haiti, a Minustah, o que e uma grande novidade para um país latino-americano. É, de qualquer maneira, interessante constatar, sobre esse ponto particular, que o Brasil foi bem sucedido em deixar em seu rastro um certo número de países da América Latina: o Uruguai, o Chile, a Argentina, e também o Equador e a Guatemala.
Frequentemente, foi dito que a ascensão de poder do Brasil no exterior de suas fronteiras se devia muito ao carisma atípico do presidente Lula. O senhor compartilha dessa constatação?
É verdade que uma conjuntura favorável permitiu a uma personalidade como a de "Lula" se exprimir plenamente. Seu passado sindicalista no seio do Partido dos Trabalhadores -- uma ótima escola de gestão de conflitos -- o ajudou sem dúvida, predispondo-o a sentir as ligações das forças internacionais e determinar sobre quais o Brasil podia atar alianças visando atender os objetivos que se lhes eram determinados. Sua outra grande força é ter sabido tirar o melhor benefício das comunidades imigradas do Brasil. Ele pode, assim, construir uma relação com o mundo árabe através da comunidade sírio-libanesa e com a África graças às ligações históricas privilegiadas, já que aproximadamente metade da população possuía origens africanas. É de qualquer maneira a Nigéria, país de onde veio a maioria dos escravos durante o tráfico, que ele construiu seu projeto de cooperação com a América do Sul-África negra.
Agora que uma nova página política da história do país está para virar, qual pode ser o futuro do Brasil sem "Lula"?
Dilma Rousseff não é "Lula". Contudo, ela pertence à mesma família política e foi sua colaboradora durante um certo número de anos, o que pode fazer pensar que haveria uma continuidade na política tomada pelo Brasil se ela ascendesse à presidência. Dito isso, ela se manifestou relativamente pouco durante a campanha eleitoral. Ao contrário, se José Serra fosse eleito, haveria motivo para crer que se retornaria, ao menos parcialmente, a uma aproximação com o mundo ocidental e, por conseguinte, a ligações mais distantes com o resto da América Latina. Durante suas raras declarações, ele se mostrou muito crítico em relação ao Paraguai e a Bolívia, como contra o Mercosul. Ele igualmente insistiu em fazer com que o Brasil busque outros modelos de relações comerciais ao nível mundial. Isso sugere um retorno à diplomacia de antes, exceto que o Brasil não é mais o mesmo. A partir disso, não está claro como um presidente, mesmo de sensibilidade política diferente, não poderia considerar as conquistas registradas pelo país nestes últimos sete anos. Antes de 2002, o Brasil entrava na categoria de Estados-pivôs, ou seja, que serviam de intermediários, de aliados fundamentais dos EUA na América do Sul, assim como a Inglaterra na Europa ou o Japão no Extremo Oriente. Hoje, é difícil imaginar o Brasil endossar esse papel relativamente subalterno.
O que falta ao Brasil para tornar-se a grande potência de amanhã?
No momento, a maior dificuldade é a ausência de consenso social, devido às grandes desigualdades existentes no seio da população [os mais ricos, que representam 10,5% da população (20 milhões de pessoas), detêm 50% da renda total]. Entretanto, o governo de "Lula" inscreveu o social no coração de suas prioridades desde 2003. Todos os índices confirmam que no curso dos sete anos passados, houve uma forte redução da população pobre no Brasil, graças a um certo núero de medidas, das quais o programa "Bolsa Família" [que beneficia 12 milhões de lares desfavorecidos, ou seja, 50 milhões de pessoas]. A justiça social é a primeira condição que o brasil deve preencher se ele quer ter o caminho livre para subir ao estado de grande potência mundial. Em seguida, ele deve conseguir diversificar sua economia e não mais ser só um país exportador de matérias primas agrícolas [soja, açúcar, beterraba] ou minerais [ferro], o que contribui para o desequilíbrio de seu comércio exterior.
Enfim, há um outro ponto delicado a considerar, agora de ordem estratégica e militar: o Brasil é proibido, por ter assinado o tratado de não proliferação, a ter acesso a armas nucleares, ao contrário de todos os membros permanentes do Conselho de Segurança. Ele está tentando, então, compensar esse diferencial desenvolvendo sua indústria de armamentos, daí seu acordo estratégico assinado com a França em 2008 [a França sendo a única grande potência nuclear a ter aceitado concluir acordos levando em conta transferências tecnológicas e a não condicionalidade nas vendas de armas]. Isso manifesta uma vontade muito clara de possuir capacidades militares importantes. Atualmente, o Brasil é de qualquer forma o único país da América Latina a poder se projetar no exterior graças ao antigo porta-aviões francês Foch, comprado na época do presidente Cardoso.
Entrevista concedida a Aymeric Janier

A diplomacia sob a era "Lula"

  • 11 de junho de 2003: encontro entre "Lula" e seu homólogo argentino, Nestor Kirchner, visando criar um parlamento regional para reforçar o Mercosul.
  • 20 de junho de 2003: Viagem oficial de "Lula" aos Estados Unidos, e encontro com George W. Bush, ocasião na qual muitos programas de cooperação são anunciados, notadamente nos domínios da energia e da luta contra a pobreza no Brasil.
  • 2-8 de novembro de 2003: Viagem de "Lula" à África (Angola, Moçambique, Namíbia, África do Sul) a fim de consolidar as relações sul-sul e a posição do Brasil em face aos países do norte.
  • 10-14 de abril de 2005: Novo deslocamento de "Lula" na África e assinatura de acordos bilaterais nos domínios político, econômico e técnico.
  • 4 de julho de 2007: Primeira conferência UE-Brasil em Lisboa, na qual a finalidade é promover uma cooperação reforçada em diferentes níveis (mudança climática, luta contra a pobreza...).
Edit: alguns errinhos.
submitted by um--no to BrasildoB [link] [comments]


2015.01.30 23:00 wazzzzah Teaching Brazilian history to a friend's nephew - is this right?

Today is the birthday of a Brazilian friend's nephew and I got him 2 escudo notes from Portugal that show Pedro Alvares Cabral. I wanted to provide some history about the man, so I put together a 2-paragaph summary from Wikipedia, and I want to print it out for him. Could someone please check and correct this Portuguese translation? Thank you so much!!
I bolded every 2nd sentence so it's easier to follow -
Paragraph 1:
Pedro Álvares Cabral was a Portuguese nobleman (fidalgo), military commander, navigator, and explorer regarded as the discoverer of Brazil. Cabral conducted the first substantial exploration of the northeast coast of South America and claimed it for Portugal. While details of Cabral's early life are unclear, it is known that he came from a minor noble family and received a good education. He was appointed to head an expedition to India in 1500 which would be known as the Second Indian Armada, following Vasco da Gama's newly opened route around Africa, in the First India Armada, in 1499. The object of the undertaking was to return with valuable spices and to establish trade relations in India—bypassing the monopoly on the spice trade then in the hands of Arab, Turkish and Italian merchants. Although the previous expedition of Vasco da Gama to India, on its sea route, recorded signs of land west of the southern Atlantic Ocean (in 1497), Cabral is regarded as the first captain who ever touched four continents, leading the first expedition that united Europe, Africa, America, and Asia.
Pedro Álvares Cabral foi um fidalgo, comandante militar, navegador e explorador considerado como o descobridor do Brasil. Cabral realizou a primeira exploração substancial da costa nordeste da América do Sul e reivindicou-o para Portugal. Embora os detalhes do início da vida de Cabral não são claras, sabe-se que ele veio de uma família nobre menor e recebeu uma boa educação. Ele foi nomeado para chefiar uma expedição à Índia, em 1500, que viria a ser conhecido como o Segundo indiano Armada, seguindo a rota recém-inaugurado do Vasco da Gama em torno de África, na Primeira Índia Armada, em 1499. O objetivo da empresa era voltar com valioso especiarias e estabelecer relações comerciais na Índia, contornando o monopólio do comércio de especiarias, então nas mãos de comerciantes árabes, turcos e italianos. Embora a expedição anterior de Vasco da Gama à Índia, em sua rota marítima, sinais de terra a oeste do Atlântico sul (em 1497) registrou, Cabral é considerado como o primeiro capitão que já tocou em quatro continentes, levando a primeira expedição que unia Europa, África, América e Ásia.
Paragraph 2:
On March 9, 1500, Cabral's expedition, the Second India Armada of 13 ships, sets out from the Tagus River, off the coast of Portugal's capital city, Lisbon. After crossing the Atlantic Ocean for a month and a half, the Portuguese detected inhabitants on the shore of eastern South America, and all ships' captains gathered aboard Cabral's lead ship on April 23. Cabral ordered Nicolau Coelho, a captain who had experience from Vasco da Gama's voyage to India, to go ashore and make contact. He set foot on land and exchanged gifts with the indigenous people. After Coelho returned, Cabral took the fleet north, where after traveling 40 miles (65 kilometers) along the coast, it anchored on April 24 in what Cabral named Porto Seguro, or "Safe Port." The place was a natural harbor, and Afonso Lopes, the pilot of the lead ship, brought two natives, who were Tupiniquim Indians, aboard the ship to confer with Cabral. As in the first contact, the meeting was friendly and Cabral presented the locals with gifts.
Em 9 de março de 1500, a expedição de Cabral, a Segunda Índia Armada de 13 navios, estabelece a partir do rio Tejo, ao largo da costa da cidade capital de Portugal, Lisboa. Depois de atravessar o Oceano Atlântico por um mês e meio, o Português detectado habitantes na costa do leste da América do Sul, e os capitães de todos os navios reunidos a bordo do navio de chumbo de Cabral em 23 de abril. Cabral ordenou Nicolau Coelho, um capitão que tinha experiência de Vasco a viagem de Vasco da Gama à Índia, para ir à praia e fazer contato. Ele pôs os pés na terra e trocaram presentes com os povos indígenas. Depois Coelho voltou, Cabral tomou a frota norte, onde depois de viajar 40 milhas (65 km) ao longo da costa, é ancorado em 24 de abril, em que Cabral chamado Porto Seguro, ou "Porto Seguro". O lugar era um porto natural, e Afonso Lopes, o piloto do navio principal, trouxe dois nativos, que eram índios Tupiniquim, a bordo do navio para conferenciar com Cabral. Como no primeiro contato, o encontro foi amigável e Cabral apresentou os moradores com os presentes.
And map title:
Map of The Second Indian Armada - March 9, 1500 - July 21, 1501
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Cabral_voyage_1500.svg
Um mapa da Segunda Armada da Índia- 09 de março de 1500 - 21 jul 1501
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Cabral_voyage_1500_PT.png
submitted by wazzzzah to Brazil [link] [comments]


2015.01.30 22:20 wazzzzah [English-> Brazilian Portuguese] Can somebody please correct these 2 paragraphs about Pedro Alvares Cabral? (Google translation, but I know there are several mistakes)

I bolded every 2nd sentence so it's easier to follow - thank you!!
Paragraph 1:
Pedro Álvares Cabral was a Portuguese nobleman (fidalgo), military commander, navigator, and explorer regarded as the discoverer of Brazil. Cabral conducted the first substantial exploration of the northeast coast of South America and claimed it for Portugal. While details of Cabral's early life are unclear, it is known that he came from a minor noble family and received a good education. He was appointed to head an expedition to India in 1500 which would be known as the Second Indian Armada, following Vasco da Gama's newly opened route around Africa, in the First India Armada, in 1499. The object of the undertaking was to return with valuable spices and to establish trade relations in India—bypassing the monopoly on the spice trade then in the hands of Arab, Turkish and Italian merchants. Although the previous expedition of Vasco da Gama to India, on its sea route, recorded signs of land west of the southern Atlantic Ocean (in 1497), Cabral is regarded as the first captain who ever touched four continents, leading the first expedition that united Europe, Africa, America, and Asia.
Pedro Álvares Cabral foi um fidalgo Português, comandante militar, navegador e explorador considerado como o descobridor do Brasil. Cabral realizou a primeira exploração substancial da costa nordeste da América do Sul e reivindicou-o para Portugal. Embora os detalhes do início da vida de Cabral não são claras, sabe-se que ele veio de uma família nobre menor e recebeu uma boa educação. Ele foi nomeado para chefiar uma expedição à Índia, em 1500, que viria a ser conhecido como o Segundo indiano Armada, seguindo a rota recém-inaugurado do Vasco da Gama em torno de África, na Primeira Índia Armada, em 1499. O objetivo da empresa era voltar com valioso especiarias e estabelecer relações comerciais na Índia, contornando o monopólio do comércio de especiarias, então nas mãos de comerciantes árabes, turcos e italianos. Embora a expedição anterior de Vasco da Gama à Índia, em sua rota marítima, sinais de terra a oeste do Atlântico sul (em 1497) registrou, Cabral é considerado como o primeiro capitão que já tocou em quatro continentes, levando a primeira expedição que unia Europa, África, América e Ásia.
Paragraph 2:
On March 9, 1500, Cabral's expedition, the Second India Armada of 13 ships, sets out from the Tagus River, off the coast of Portugal's capital city, Lisbon. After crossing the Atlantic Ocean for a month and a half, the Portuguese detected inhabitants on the shore of eastern South America, and all ships' captains gathered aboard Cabral's lead ship on April 23. Cabral ordered Nicolau Coelho, a captain who had experience from Vasco da Gama's voyage to India, to go ashore and make contact. He set foot on land and exchanged gifts with the indigenous people. After Coelho returned, Cabral took the fleet north, where after traveling 40 miles (65 kilometers) along the coast, it anchored on April 24 in what Cabral named Porto Seguro, or "Safe Port." The place was a natural harbor, and Afonso Lopes, the pilot of the lead ship, brought two natives, who were Tupiniquim Indians, aboard the ship to confer with Cabral. As in the first contact, the meeting was friendly and Cabral presented the locals with gifts.
Em 9 de março de 1500, a expedição de Cabral, a Segunda Índia Armada de 13 navios, estabelece a partir do rio Tejo, ao largo da costa da cidade capital de Portugal, Lisboa. Depois de atravessar o Oceano Atlântico por um mês e meio, o Português detectado habitantes na costa do leste da América do Sul, e os capitães de todos os navios reunidos a bordo do navio de chumbo de Cabral em 23 de abril. Cabral ordenou Nicolau Coelho, um capitão que tinha experiência de Vasco a viagem de Vasco da Gama à Índia, para ir à praia e fazer contato. Ele pôs os pés na terra e trocaram presentes com os povos indígenas. Depois Coelho voltou, Cabral tomou a frota norte, onde depois de viajar 40 milhas (65 km) ao longo da costa, é ancorado em 24 de abril, em que Cabral chamado Porto Seguro, ou "Porto Seguro". O lugar era um porto natural, e Afonso Lopes, o piloto do navio principal, trouxe dois nativos, que eram índios Tupiniquim, a bordo do navio para conferenciar com Cabral. Como no primeiro contato, o encontro foi amigável e Cabral apresentou os moradores com os presentes.
And map title:
Map of The Second Indian Armada - March 9, 1500 - July 21, 1501
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Cabral_voyage_1500.svg
Um mapa da Segunda Armada da Índia- 09 de março de 1500 - 21 jul 1501
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Cabral_voyage_1500_PT.png
submitted by wazzzzah to translator [link] [comments]